26 mar 2013 – Finalmente há uma tentativa de reduzir e uniformizar o ICMS estadual – imposto é nocivo na economia

“O ministro da Fazenda, Guido Mantega, defendeu nesta quinta-feira a unificação da alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), com o objetivo de acabar com o que ele chamou de “guerra dos portos”. A proposta de tornar única a alíquota do ICMS – que hoje varia entre 7% e 12% de acordo com os Estados – tramita no Senado e é alvo de críticas por parte de alguns entes federados, que dão maiores subsídios para a instalação de empresas em seus territórios. O parecer final do projeto de lei deve ser apresentado no dia 16 de abril pelo relator, senador Delcídio Amaral (PT-MS).”

No estado de São Paulo e acredito que em todos os outros este imposto estadual para serviços importantes como luz, água e telefonia  é de 25%, o que é um absurdo total.

Talvez houvesse algum sentido na década de 1970, na faina arrecadatória. Mas o mundo evolui e já na década de 80 isto era questionável. Faz parte daquela estrutura tributária implantada na época do militarismo que é totalmente absurda desde a sua implantação.

Este imposto sob o poder dos governos estaduais é um completo desvio estrutural na economia. De nada adianta reduzir a carga tributária federal que já é enorme pela quantidade de impostos existentes se também não reduzirmos e até eliminarmos este imposto estadual.

Claro que a bancada do congresso que defende os governos estaduais vai tentar impedir e provavelmente vai impedir a redução deste imposto e/ou mesmo a unificação por lei.

Nossos deputados e senadores, estes que elegemos, tenho certeza que apenas legislam por questões partidárias e não pelo interesse do povo, da sociedade.

É vital para o crescimento econômico do país eliminarmos gradativamente todos os impostos lineares e principalmente o ICMS estaduais, cujos governos estaduais deveriam fazer um acordo de compensação através de verbas arrecadadas pelo governo federal.

A redução gradativa na opinião dos principais economistas deveria colocar esta taxação para algo em torno de 3 a 4%, unificadamente em todos os estados, para num segundo momento ser eliminado da estrutura tributária. É uma reforma tributária as avessas, uma vez que nossos congressistas não servem para a reforma tributária total.

Vale e muito a tentativa, mas antevejo que será muito difícil a aprovação da iniciativa federal. Não acredito na “inteligência” de nossos deputados e senadores. São pessoas movidas apenas por interesses pessoais e nunca a favor do povo.

Ao Povo resta somente aguardar e rezar pela boa vontade daqueles que elegemos como nossos representantes. Isto é ridículo.

Por Atama Moriya em 26 de março de 2013.

Notícias do Portal Terra:

“Mantega considerou que a mudança do ICMS (a proposta é reduzir para 4% de imposto) representa 70% da reforma tributária necessária no País e alertou que o tributo atrapalha a produção brasileira. O ministro considera que a guerra é “arcaica” e precisa ser substituída por outro instrumento mais eficaz. 

“Temos tributos que são arcaicos, que já cumpriram seu papel, eram adequados no passado, mas não são mais. O ICMS é hoje é tributo que mais atrapalha a produção. É complicado, dificulta a produção. É chegado o momento de substituir a guerra fiscal por outro instrumento mais eficiente para garantir o crescimento dos estados”, afirmou o ministro em audiência pública nas comissões de Assuntos Econômicos e de Infraestrutura do Senado. 

A guerra dos portos – causada pelos subsídios dados pelos Estados para que as empresas se instalem em seus territórios – tem causado disputas jurídicas. Quando as questões não são resolvidas no Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), os Estados que se sentem lesados apelam ao Supremo Tribunal Federal (STF). 

“Hoje nós vivemos incerteza jurídica por causa da guerra fiscal que está sendo questionada no Supremo. Se teve utilidade algum dia, hoje a guerra fiscal deixa de ter utilidade para os Estados que a praticam porque leva a um grande conflito que vai para o Judiciário e as perspectivas não são boas. Deixar isso ser resolvido no STF não é uma boa coisa porque o Supremo tende a invalidar tudo o que foi feito no passado, o que traria sérios prejuízos”, alertou Mantega. 

Além de unificar a alíquota do ICMS ao longo dos próximos anos, a proposta em tramitação no Senado cria o fundo de compensação – que vai recompensar perdas que os Estados tiverem com a redução do tributo – e o fundo de desenvolvimento regional. “Este é o mais importante, porque substitui a guerra fiscal, dá um instrumento mais objetivo, eficiente. Deverá suprir os recursos para os Estados os mais atingidos pela mudança de modo que possam compensar os subsídios de forma que as empresas continuem trabalhando nos Estados”, disse o ministro da Fazenda.”

Esse post foi publicado em Crise econômica e marcado , . Guardar link permanente.

Opte por deixar comentários claros, concisos, compreensíveis e racionais. Evite palavrões, palavras ásperas e críticas/ofensas a outras pessoas. Lembre-se que este blog é muito lido por menores de idade. Por favor, deixe bons exemplos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s