Vida após a morte – Morrer não dói, será?

Existe mesmo vida após a morte? Eis uma pergunta inquietante e que somente pode ser respondida intuitivamente, seja positiva ou negativamente, porquanto, ninguém foi pra lá conferir e voltou.

Mesmo os céticos não podem afirmar que não, posto que não tiveram esta experiência concreta, e quanto aos crentes, a afirmação se baseia na sua fé, e com base nas experiências místicas de cada um. Mas muito da crença se deve mesmo ao aprofundamento nos estudos religiosos, os quais pregam uma pós-existência e se baseiam para afirmá-lo em outras afirmações passadas por textos principalmente dos quatro evangelhos dominantes.

A ciência vai até um ponto que não consegue mais explicar, por exemplo, as experiências bem sucedidas com gravações de vozes do além ou de dimensões seguintes para onde vão os mortos. Acompanha e não pode explicar os processos mediúnicos nos quais mensagens são enviadas a familiares de entes já falecidos, além é claro de pessoas, amigos, parentes ou alguns de nós mesmos que tiveram experiências de quase-morte.

É muito comum hoje encontrarmos com pessoas próximas que vivenciaram esta experiência de quase morte e todos praticamente relatam quase a mesma coisa, em detalhes. Pessoas que já enfrentaram processo de coma e dela saíram fazem relatos como os descritos pelo espiritismo, por exemplo, algo muito comum em todas as sociedades, nas quais encontramos vários relatos parecidos, também.

Não estou aqui para fazer apologia às religiões ou convencer os crédulos da vida após a morte, posto que cada um deve extrair da sua vida as suas próprias conclusões até porque é com base nas suas conclusões pessoais que ele vai um dia enfrentar este momento.

Mas o fato da morte em si trazer muitos medos consigo a todos aqui, enquanto vivos, é que torna esta “passagem” cercada de muitos mistérios e para muitos um medo paralisante que se manifesta inconsciente.

Seguindo os relatos dos que “supostamente” para alguns e verdadeiramente para outros já estão do outro lado da vida, encontramos um ponto em comum: “morrer não dói”.

Referida afirmação mesmo que em tom tranqüilizador traz em si um grande mistério, porquanto, ninguém aqui vai fazer este experimento e conseguir retornar para contar. Isto neste momento é uma impossibilidade. Não vamos aqui fazer referências aos ressuscitados, como Cristo, posto que estes “caras” não eram humanos, mas supra humanos e suas experiências por enquanto não podem ser compreendidas pela maioria dos vivos aqui.

No livro que “mata a morte” o autor Mario Roso de Luna faz um trabalho notável para demonstrar a vida após a morte, algo realmente digno de leitura.

Todavia, não vamos examinar aqui esta questão de vida após a morte que podemos detalhar em outro post, mas vamos nos ater brevemente apenas na questão primeira de como seria esta morte física e por que temos, mesmo de forma inconsciente, um terrível medo de morrer.

No conhecimento esotérico, próprio para quem acredita em almas e espíritos que vivificam o corpo humano, é dito sempre que a morte nem sequer pode ser sentida, embora haja o corpo sinta a sua ocorrência, a alma é retirada momentos antes e jamais participa verdadeiramente deste momento. É uma afirmação que tranqüiliza, mas difícil de ser provada como já dissemos antes, e o que temos são apenas os relatos provenientes das pessoas que enfrentaram a quase-morte e aquele que verdadeiramente já passaram dimensões posteriores na vida que prossegue.

Nas ocorrências de quase-morte a alma é retirada momentaneamente do plano físico, muitas vezes para não enfrentar momentos dolorosos desnecessários ou incompreenssíveis ou principalmente para se furtar da dor física ou mental, porém, a alma continua ligada ao corpo físico, embora sem as sensações do corpo físico, mas conectada ainda pelos fios ou cordões invisíveis ou dimensionais os quais não são rompidos. Tal qual ocorre para maioria das pessoas quando dorme e alma passa a vaguear por “aí”, experiências que muitos se lembram com riquezas de detalhes, e podem ser chamadas de viagens físicas ou astrais.

Nas viagens físicas podemos simplesmente, enquanto alma apenas, sair do corpo físico e passear literalmente pela casa, pela cidade, ir para outros lugares, ir para outros países, ver pessoas em outras casas, visitar amigos, parentes, ou simplesmente brincar de voar nos céus.
Parece uma “loucura” isto? Não, procure entre os seus amigos e encontrará com certeza alguns destes relatos que permanecem meio que em segredo porque as pessoas não sabem explicar como isto ocorreu.

Nas viagens astrais, a alma, com ou sem auxílio de outros, sae do corpo físico e atravessa dimensões e chega aos demais planos, principalmente o astral, de onde encontramos muitos relatos que chamamos de sonhos “reais”, de encontros por exemplos com entes familiares que sentimos saudades ou mesmo pessoas que desconhecemos na vida real, mas que se encontram em diversas situações diferentes em planos que nos são desconhecidos, embora que parecidos com a Terra física.

Em ambos os casos, de maneira alguma a alma se separa do corpo físico, uma vez que permanece ligado por fios ao umbigo e ao coração, daí porque sempre acontece o seu retorno ao corpo de maneira instantânea, num simples pensamento.

Já com a morte física, mesmo antes do desfalecimento da fase aguda da morte, conforme ensinam os grandes esoteristas, os cordões são rompidos e a alma se desprende instantaneamente e não tem mais nenhuma possibilidade de retorno ao corpo físico, o qual mesmo sendo mantido em atividade mecânica por tempo maior, já está sem a vida ou o espírito que o vivifica. Com os cordões rompidos, mesmo que respire ainda, já é um corpo morto.

Mas o que queremos mesmo enfatizar é a afirmação de que morrer não dói, e ainda que não possa ser provada individualmente, ainda assim deve ser acreditada como um dispositivo do criador para impedir que experiências extremamente desagradáveis sejam gravadas na alma espiritual de forma que ela não seja levada com uma experiência traumática da vida.

Medo de morrer todo mundo tem, afinal enfrentar o desconhecido e o que para nós é um mistério é algo que realmente assusta. E até é bom que tenhamos medo de morrer, porque isto nos traz para a vida e a preservação física, e representa o apego à vida, o apego ao nosso egocentrismo, à nossa própria individualidade.

Alguns desafiam a morte como se fosse uma brincadeira viver, então se jogam de precipícios com cordinhas, ficam saltando de pára-quedas, nadando em rios de piranhas, etc., mas embora não possamos criticar diretamente, não nos parece que desafiar a morte seja algo inteligente, algo que nos faz crescer em consciência; não é algo nos faça melhores seres humanos e nem algo que nos aproxima de Deus mesmo que morrendo nestas circunstâncias. Mas respeito aqueles que precisam mesmo sentir tais emoções pra se sentirem vivas.

O sentido de auto-preservação está ligado ao apego a vida, e isto é muito bom, entretanto, tudo que é excesso se torna de positivo em negativo, porquanto, o apego exagerado, extremado à vida, denota um extremo egoísmo, por vezes não representado no consciente como medo de morrer, mas exatamente o contrário também, quando a vida sem o seu objeto de apego, seja a si mesmo, ou a outrem ou bens materiais parece não fazer nenhum sentido.

É comum observarmos em muitas pessoas extremamente egoístas este tremendo apego pessoal e são pessoas que o demonstram em extremos, como pânico terrível de morrer, ou um completo desapego a vida caso não se sinta contemplado em seus desejos na vida física. O segundo grupo é invariavelmente representado por pessoas que quando não atendidas em vida em seus desejos preferem literalmente morrer ou apresentam uma coragem “falsa” e enfrentam a morte numa boa. Muitos até se suicidam por não verem atendidos os seus desejos de vida, ou por reconhecerem limitações na vida que não podem aceitar por falta de compreensão da vida.

Vale lembrar também que nenhuma regra é geral, mas aplica-se individualmente e conforme determinados momentos da vida. A vida é mutante e por isso mesmo somos todos mutantes.

Mais adiante vamos escrever mais a este respeito e sobre o oposto que é a coragem.

Por Atama Moriya, em 29-06-2009.

Vejamos este trecho de livro Raymond A. Moody:

“Cidades de Luz

Um homem de idade madura, que sofreu uma parada cardíaca , relatou::

“Tive uma parada cardiaca e fiquei clinicamente morto . . . De repente , senti-me de tudo com perfeita nitidez . . . De repente , senti-me dormente . Os sons começaram a parecer um tanto distantes . . . Durante todo o tempo eu estava perfeitamente consciente de tudo que se passava . Escutei o monitor cardiaco parar de funcionar . Via enfermeira entrar no quarto , falar ao telefone e logo enfermeiras , médicos e assistentes começaram a chegar.

“Quando as coisas passaram a tornar-se indistintas , ouvi um som que não consigo descrever: era como o rufar de um tambor, um ruido muito rápido , como o de uma torrente passando por uma garganta de pedra . Ergui-me e parei no ar , olhando para meu corpo . Pessoas trabalhavam para reanima-lo . Não senti medo . Nem dor . Apenas paz . Após o tempo de apenas um dou dois segundos , tive a impressào de virar-me e subir . Estava escuro — pode-se dizer que era um tunel , ou buraco — e, na outra extremeidade , uma luz brilhante , que se tornava mais forte à medida que eu parecia atravessar o túnel em direção a ela.

“De repente , era um lugar totalmente diverso . Havia uma luz dourada por toda a parte. Linda . Não consegui localizar a fonte da luz . E havia música , também . Tive a impressão de estar num panorama com riachos , prados , árvores e montanhas . Mas quando olhei em volta — se é que se pode dizer assim — não se tratava de arvores e coisas como a conhecemos. Para mim, o mais estranho em tudo aquilo era a existencia de pessoas no local. Não sob qualquer forma ou corpo como estavamos acostumados a ver ; simplesmente estavam lá.

“Havia uma sensação de perfeita paz e contentamento . De amor. E eu parecia fazer parte daquilo.  A experiencia pode ter durado a noite inteira , ou apenas um segundo . . . não sei dizer.”

Eis como uma mulher descreveu o fenômeno :

“Havia uma espécie de vibração. Uma vibração que me cercava , envolvendo-me o corpo . Era como se o corpo vibrasse e não pude identificar a origem da vibração. Mas quando o corpo vibrava , eu me separava dele. Então , podia vê-lo de fora . . . Fiquei por dentro durante algum tempo, observando os médicos e enfermeiras trabalharem no meu corpo , e tentando imaginar qual seria o resultado . . . Fiquei à cabeceira da cama , olhando para eles e para o meu corpo . A certa altura , uma enfermeira estendeu a mão para a parede atrás da cama , a fim de pegar a máscara de oxigenio que ali estava e, ao faze-lo , passou o braço através de meu pescoço . . .

“Em seguida , flutuei , atravessando um túnel escuro . . . Penetrei no tunel negro e emergi numa luz brilhante . . . Um pouco mais tarde , eu estava com meus avós , meu pai e meu irmão , que já tinham morrido . . . A luz mais linda e brilhante nos inundava . E o lugar era lindo . Havia cores — cores vivas — não como as daqui da Terra , mas simplesmente indescritiveis . E pessoas — pessoas felizes … Pessoas por todos os lados , algumas reunidas em grupos . Algumas estavam aprendendo . . .

“À distancia . . . pude avistar uma cidade . Prédios . . . prédios , separados uns dos outros. Eram polidos , brilhantes . As pessoas eram felizes ali . Água limpida, que refletia a luz , repuxos . . . creio que o melhor meio de descrever seria dizer ‘uma cidade de luz’ . . . Esplendorosa . Tudo brilhava , uma maravilha . . . Mas se eu entrasse nela, creio que jamais teria voltado . . . Disseram-me que, se eu entrasse ali, não poderia regressar . . . que a opção era exclusivamente minha.”

Um homem idoso declarou :

“Eu estava sentado na cadeira . Comecei a levantar-me e algo me atingiu em pleno peito . . . Apoiei-me na parede . Tornei a sentar-me. Então, fui novamente atingido: algo como uma marreta golpeou-me o peito . . . Estive no hospital . . . e disseram que eu soufrera uma parada cardíaca. O médico estava ao meu lado.”

E o que se recorda a respeito de sua parada cardíaca?

“Bem, de um lugar . . . realmente lindo , mas impossivel de descrever . Não obstante , existe, seria impossivel imagina-lo. Quando se chega ao outro lado, há um rio. Exatamente como na Biblia : ‘Existe um rio . . . ‘ Tinha a superfice lisa como uma lamina de vidro . . . Sim , atravessa-se um rio . E eu o atravessei . . . “

Como sentiu que atravessou o rio?

“A pé. Simplesmente caminhei . Mas era tão bonito! lindo! Não existe modo de descreve-lo. temos belez aqui , sem dúvida , com todas as flores e coisas bonitas , mas não há comparação. Lá é tudo tão silencioso, tão tranquilo . Dá vontade de repousar . Não existe escuridão.”

Trecho extraído do livro Reflexões sobre a Vida depois da Vida de Raymond A. Moody Jr. – Ed. Nórdica – 1977

Anúncios
Esse post foi publicado em Egoísmo, Evolucionismo, Sofrimento, Teosofia, Vidas passadas e recorrências e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

24 respostas para Vida após a morte – Morrer não dói, será?

  1. claudia valeria vieira. disse:

    perdi ha quase 6 meses o amor da minha vida homem que amei e continuo amando,nao estou sabendo lidar com isso,tal vez pelas duvidas vamos para o ceu,ou inferno existi vida apos a morte como no filme nosso lar,ou castigo eterno como diz a biblia se nao vivermos enclausurados,pois td e pecado,nao sei no q acreditar.procuro respostas mais nao encontro,e nao adianta mandar eu ler a biblia por continuo com duvidas,choro tds os dia com tanta saudade…,

  2. PAULA QUEIROZ disse:

    QUANDO MINHA FALECEU, EU QUASE ENLOUQUECI, EU CHORAVA MUITO E PERDI PARA IR JUNTO COM ELA. e NA MESMA SEMANA DO FALECIMENTO ELA APARECEU EN MEUS SONHOS, DIZENDO: FILHA ESTOU VIVA, E ASSIM FOI DURANTE TRES DIAS, MAS EU NÃO CONSEGUIA INTERPRETAR. EU DIZIA, NÃO MÃE VC ESTÁ MORTA, MAS ELA CONTINUA FALANDO ESTOU VIVA E CURADA. DEPOIS UMA AMIGA ESPÍRITA ME EXPLICOU, PORQUE A DOR ERA ENORME QUE NÃO CONSEGUIA PENSAR, ISSO FAZ UM ANO QUE ELA PARTIU

  3. PAULA QUEIROZ disse:

    DESCULPA, EU QUIS DIZER QUE, NENHUM LUGAR É MARAVILHOSO QUE SUPERE TANTA DOR QUE É SAUDADE DE QUEM FICA E ACREDITO DE QUEM VAI TAMBÉM.

  4. PAULA QUEIROZ disse:

    A MORTE CRUEL, PARA QUEM FICA E PARA QUEM VAI, NEM UM LUGAR É TÃO QUE SUPERA A DOR DA SAUDADE DE UM FILHO OU DE UMA MÃE. DESCULPA DEUS.

  5. amamda machado disse:

    hoje tenho uma esperiencia com morte que sou vitima de um acontecimemto tragico na minha vidaonde nao pude ajudar um suicida porque estava com depressao de fazer coisas erradas e nao assumir seus erros sei que no mundo espiritual que existe esta aprendendo mais paciente er mais omaispacientecom os outros a amar os seus fihlos a nao ser idividualusta esaber que presisamos cada vez mais nos evoluir aprende com nossas provacoes e ter nosso merecimento como ser humano nao desistir de nossas vidas porque se fez nao esta cumprindo os madamentos da lei do senhorjessus venceu o mundo os preconceitos dos materilista do poder jamais chegaremos alugar nenhum se nao nos policiarmos nosso crecimento interrior fazendo resplandecer luz no fim do tunel.

  6. Atama Moriya disse:

    Karol, agradeço que você tenha compartilhado sua experiência com os leitores do blog.
    Abs

  7. Karol disse:

    Venho humildimente tentar passar para voces uma esperiência que tive esta madrugada,
    Perdi meu tiu tem pouco tempo,cerca de 1 mês.Essa madrugada ja amanhecendo tive uma visão ou não sei um sonho que meu tiu estava chegando em minha casa de moto e sorrindo para me,assim que acordei fui logo contar a minha familia mas todos se espantarão porque meu pai havia acordado antes de me e dizendo q sonhou com eli em minha casa muito feliz e que quando eli falou:Olha Sandoval aqui gente! eli acordou gelado e a assustado. Acredito que esteja bem pois sua morte foi dirrepente e aconteceu muitas coisas que jamais seria de seu agrado.

  8. jaque disse:

    Muito intessante esta página, sempre busco entender um pouco mais sobre os mistérios da vida, procurante incessantemente algo em que acreditar, é triste viver sem fé, é importantante te
    rmos um caminho de convicção para seguir

  9. alcionecampos disse:

    Quando estava fazendo o meu depoimento senti q estava desobedecendo a uma ordem de nada relatar qto ao q se passa comigo, e mto q sei,a voz suave pediu-me q não devo mais dizer ou relatar, basta eu saber q td é REAL, este meu Dom foi dado p/ Deus como o padre um dia me falou, portanto não tenho o direito de mudar certos acontecimentos, nem mesmo o Destino de certas pessoas , nem mesmo dizer das gdes catastrófes. Me desculpem.

  10. viagem p o desconhecido+.– 2 parte

  11. lis disse:

    minha esperiencia espiritual foi horrivel… mais as vezes eu acho que a culpa foi minha…
    eu tinha 15 anos e ate entao nao adimitia o fato de minha irma mais velha ter se matado…
    ela se enforcou em um dia de sabado no nosso quarto dia 20 de abril de 2002 na parte da manha por vouta de 10 da manha ela tinha apenas 20 anos…
    no momento que me deparei com ela morta, uma grande dor me envadio e eu fiquei sem saber o que fazer… durante o velorio eu ja nao chorava, mais meu pai e minha mae nao se controlavam apesar de tantos medicamentos… foi quando por vouta das 11 horas da noite o telefone residencial tocou eu atendi…
    – alo..
    ninguem respondia… repeti mais umas tres vezes…
    -alo…
    -quem e
    -alo quer falar com quem
    foi ai que responderam com uma voz muito roca.. e muito falha… parecia ser uma senhora,, sei la… de um 70 anos…
    -eu quero falar com papai…
    eu perguntei
    -quem e seu pai…
    perguntei pois a minha casa tinha muita gente… minha irma estava sento velada naquele momento entre parentes,amigos,visinhos e alguns curiosos…
    respondeu.
    -painho flavio…
    tomei um susto pois nos eramos 4 irmaos… eu,eline,carla e fabio …. minha irma eline tinha apenas 1 aninho.. e minha outra irma a carla estava morta… nao tive duvidas passei o telefone pro meu pai e ele atendeu…
    nao acreditou na historia que a pessoa falava do outro lado começou a chorar desesperadamente entao meu irmao tomou o telefone das maos do nosso pai e falou.
    -por favor quem quer que seja nao passe trotes para nossa familia a gente precisa de oraçoes…
    e deligou o telefone…
    depois pedimos um relatorio para a telemar que e a empresa que fornece a rede de tefones aqui na cidade…… mais nao constava nenhuma ligaçao recebida de nenhum local naquele momento… isso nos deixou muito confusos..
    depois os anos se passaram mais eu nunca me conformei com a morte da minha amada irma.. eu sempre a xingava… eu dizia
    – ela e uma merda agora
    – nem polde ter o prazer de me ver crescer kkkk….
    eu dizia tudo aquilo por infantilidade e estupides eu era apenas uma menina mimada que queria que fosse tudo do meu jeito… quando em dia eu disse a seguinte fraze..
    – eu queria mesmo ver onde vc esta agora sua estupida…nao era pra vc ter se matado eu te amava agora eu te odeio vc e uma assasina… queria mesmo sentir so sentir o que vc ta sentindo agora….
    a noite fui dormir… nunca tinha sonhado com ela… mais essa noite ela veio em meus sonhos…e me deu a maior liçao de moral que nunca me deu enquanto viva… ela dizia tudo que tinha se passado e a cada palavra que era dita eu sentia minha garganta apertar… de uma forma que eu nao estava mais suportando a dor… entao no ultimo suspiro eu disse a ela…
    -me perdoa carla
    ela me respodeu
    -vc nao queria ver onde estou e nao queria sentir a dor do meu inforcamento…. agora vc sabe …. que nunca por mais decepçoes que vc tiver na vida… vc vai me prometer que nunca vai falar que vai tirar a propria vida…. eu prometi… mais desse dia em dianta o que eu faço e somete dizer que a amo e que eu nunca quiz a magoar…
    cada um sabe de seus problemais… mais nao a dor que nao passe e nao a ferida que nao cicatrize…

    te amo minha irma….
    deus abençoe a todos
    amem

  12. s.m. disse:

    Obrigada de coração . Deus te abençoe!

  13. Atama Moriya disse:

    Agradecido Sonia por compartilhar corajosamente a sua própria experiência espiritual com todos os leitores. Continue neste blog e nos enriqueça também. Abs.

  14. s.m. disse:

    Caro Atama . Quero compartilhar com voce , uma experiencia que ocorreu comigo , há mais de 10 anos atrás. Já era bem tarde da noite, fiz a minha oração para dormir, quando já estava deitada , tive a visão do rosto de um espírito , bem próximo a mim. Começei a me sentir mal, uma forte dor de cabeça, aflição , uma angustia de alma , inexplicável. Senti que estava perdendo a minha mente , a ponto de não saber aonde eu estava. Aquele espírito queria me destruir…
    Lembro-me , , em mente , começei a fazer uma oração ao Senhor Jesus , desesperadamente , que ele me socorresse. Minha alma estava aflita! Orei, orei… quando derepente , vejo , vindo em minha direção , uma moça , gloriosamente bela, parecia toda feita de luz, cabelos longos, de onde saiam , como que faíscas douradas, num vestido , esvoaçante , parecia feito de véu branco, . Seu rosto brilhava, ela era linda , vinha como que flutuando em minha direção. Derepente , percebi que aquele espírito desapareceu imediatamente. Uma paz intensa invadiu o meu ser. Fiquei contemplando aquela moça por alguns instantes. Ela não disse nada mentalmente. Ela apenas chegou, humildemente. Senti todo o seu ser: era de uma pureza bondade, humildade, sem igual. Começei a chorar , que queria ficar com ela, tive a impressão de que a conhecia há muito tempo. Mas ela se foi… Passei dias meditando nesse ocorrido, e todas
    vezes que me lembrava dela chorava copiosamente. Diante dessas visões , percebo o quanto ainda sou imperfeita , e quanto sou um nada perante esses seres tão puros. Busco através das orações , as virtudes do Nosso Pai Celestial, pois almejo intensamente o aperfeiçoamento
    da minha alma. Que me chamou a atençao , foi sua humildade ! Ela não chegou dizendo : vim aqui para afastar esse espírito . Não. Só a sua presença fez isso. E não se vangloriou. Foi muito marcante, e uma lição que aprendi , sobre o amor, a pureza e a humildade.

  15. s.m. disse:

    Há vários acontecimentos na minha família , que concerne ao mundo espiritual, que escreverei mais para frente.

  16. s.m. disse:

    Continuação comentário s.m.
    Passados alguns anos , dessa visão , minha irmã teve um sonho, onde via uma multidão no cemitério , e um caixão do lado de fora, e como se ela estivesse no alto , ela via que uma certa claridade , circundava aquele caixão , como uma luz suave. Quando ele olhava fixo para aquele caixão , houve como se fosse um zoom , em seus olhos , e se assustou quando , viu que quem estava lá era o meu pai. Ela começou a chorar e disse: meu pai! Derepente ela sentiu ecoar uma voz meiga e doce , como se fosse em sua mente : Seu pai , e meu filho! Ela disse sentir que era uma voz poderosa . Ela me contou o sonho , isso foi em 2001 . Resolvemos guardar essa visão só para nós duas. Passado dois anos , certa vez, visitando minha mãe , ela me disse que meu pai não estava muito bem , e tinha ido ao médico. O médico pediu os exames necessários e ele os fez. Feito os exames , ele foi viajar com minha mãe , e nós ficamos incumbidas de pegar o resultado no laboratório, e eles ligarem para saber o resultado. Quase caímos de costas : era cancer nos intestinos. lembramos do sonho. Começamos a chorar , mas não contamos a ninguém. Quando meu pai retornou da viagem, bastante abalado , foi ao médico para o procedimento . Passou por cirurgia. Ficou no hospital mais de 15 dias entre a vida e a morte. Muitas orações foram elevadas a Deus , a igreja orava por ele . Ele era uma pessoa bastante querida. Quando foi um dia , fomos visitá-lo , e o médico disse que estava surpreso com a boa recuperação que ele tinha tido. Logo foi para o quarto, e passado uns dias veio para casa. Em casa, foi melhorando ,melhorando … mas um dia , sua pele começou a amarelar …. e a sentir dores abdominais . Novos exames : cancer no fígado! Não tinha mais o que fazer. .. Quis passar seus ultimos dias em casa. , conosco. Ficou 30 dias conosco. Foram dias de grande sofrimento,
    pois nos dois ultimos dias ela entrou em estado comatoso. Foi numa quinta feira , mais ou menos
    umas 13 horas: eu estava sentada ao lado dele , segurando sua mão , quando derepente começei a sentir algo tão diferente , que não consigo explicar : uma alegria muito grande , como se o quarto estivesse cheio de presença de seres , que transmitiam muito alegria … sentia meu coração disparar…um júbilo! Nisso começou a chegar as minhas irmãs , meus cunhados , amigos… percebemos que ele já estava no seu ultimo suspiro. Resolvemos todos orar,
    para que Deus nos consolasse… quando levantamos da oração , minha irmã teve uma outra visão com ele : viu uma borboleta toda brilhante , feita de luz , pousar em seus pés . , e seu esposo , teve uma outra visão dele : viu ele em pé no quarto , todo de branco , rodeado por uma luz linda! Passados cinco minutos , ele deu o ultimo suspiro , nos braços da minha mãe.
    Foi feito seu funeral , com uma multidão , que tiveram que tirar o caixão da sala , e colocar lá fora , exatamente no lugar como minha irmã tinha visto. Foi tudo da mesma que ela tinha visto naquela visão. O mais interessante , é que depois veio a explicação do porque , daquele júbilo que havia sentido poucas horas antes dele partir. Na minha rua, tem uma amiga nossa, que tambem é da nossa igreja. Ela tinha uma tia , na época , que estava acamada , e tinha o dom da clarividencia, ela tinha visão do mundo espiritual. Essa amiga nossa , também estava lá em casa conosco , quando meu pai faleceu. Ficou alguns minutos conosco, e foi embora para sua casa , que era na mesma rua. Quando chegou em casa , sua tia , que não sabia de nada , perguntou para ela : que está acontecendo aí na rua ?Essa amiga lhe disse : por que? È que algum tempo atrás , eu estava aqui, quando tive a visão da nossa rua , e olhava para os céus , e via como um clarao , descendo e quando vejo , eram anjos ., eram vários …
    Essa visão nos consolou , porque eu sei que O Senhor enviou seus anjos para buscarem o meu pai!

  17. Atama Moriya disse:

    Bonito relato. Somos todos cristãos, todas as religiões são cristãs. Todas as religiões levam o ser para o Cristo que existe dentro de cada um. Talvez vc. tenha se referido a ser católico. O relato foi muito bom e este lugar vislumbrado em sonho existe. Nesse passo em que vc. está recomendo que assista os dois filmes do Chico Xavier lançados recentemente, ou leia o livro Nosso Lar. Abs.

  18. s.m. disse:

    Somos uma família cristã. Quero relatar algo que meu pai nos contou alguns anos atrás . Meu pai tinha um amigo, o qual ele amava muito. Esse amigo , era uma pessoa bastante espiritual, cristão , bastante devoto do Senhor Jesus Cristo. Certo dia , esse amigo veio a falecer. Meu pai sentiu muito a sua morte…. não se consolava. Orava a Deus, para que o confortasse.
    Quando foi um dia , ele teve um sonho,onde se viu num lugar , muito bonito, e havia uma espécie de corredor , com várias camas e com colchas lindissimas sobre elas. Começou a andar por esse corredor, quando avistou uma cama bem lá na frente , com uma certa iluminação , como se fosse sobre a cabeçeira. Sentiu atraído para aquela cama , e foi em direção a ela.
    Quando chegou perto , ao contemplar quem estava deitado , era o seu amigo , como se tivesse num repouso , descanso.Embora ele não conseguiu ver o rosto , mas ele sabia que era ele.Diz que havia bastante luz em volta daquele espírito, bem como percebeu outros espíritos repousando nas outras camas., eram seres iluminados também. Mais o mais interessante , foi, que após essa cama , haviam outras com colchas lindissimas , como nunca ele viu , que não existem iguais aqui , de tanta beleza ; e ele observou que essas camas estavam vazias.

  19. Lookashh disse:

    Eu sempre acreditei e veja q o comentario e igual em

  20. yck pinheiro da silva disse:

    Gostaria de saber por que tememos tanto a morte,pois começamos a morrer assim que nascemos!!!(cada dia a mais é um dia a menos.)

  21. zozilene nascimento s. teles disse:

    A morte ainda é um mistério, só quem pode desvendar e o nosso criador, o Deus todo poderoso e eterno.

  22. eu gostaria de deixar meu comentari morrer pode ate nao doer para quem morre pois isso pode ser um conforto para a gente que ja perdeu alguem mais para gente que fica aqui e uma dor terivil de se perder alguem que a gente tanto ama mais e muito bom saber que vamos encotrar as pessoas que ja morreram mais vai ser dificil deixar aquelas com as quais vivemos sempre avera muitas saudades de todos os que fizeram parte de nossas vidas

  23. Ode Marina disse:

    Texto muito interessante!
    Morrer pode não “doer” fisicamente, mas acredito que se o carma está pesado, a dor da alma (ou espírito, conforme a terminologia aceita)pode incomodar um bocado!

  24. Adriana disse:

    Às vezes pensamos que a morte é um mistério sem fim e tememos sua presença!

    Não conseguimos perceber que viver sim, é o grande mistério, onde morrer é apenas conseqüência de um ciclo de vida que se finda para iniciar se outro.

Opte por deixar comentários claros, concisos, compreensíveis e racionais. Evite palavrões, palavras ásperas e críticas/ofensas a outras pessoas. Lembre-se que este blog é muito lido por menores de idade. Por favor, deixe bons exemplos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s