Aumento das emissões de CO2 superam previsão mais pessimista da ONU e o aquecimento já pode estar trazendo a liberação de metano, um acelerador dos problemas climáticos

As emissões de CO2 atingem níveis mais preocupantes que os piores cenários anunciados pelos relatórios do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas).

Dados coletados pelo Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma) alertam que as emissões estão já acima das piores taxas imaginadas e que a elevação dos oceanos é superior ao que os especialistas previam.

A ONU pede que, apesar da crise financeira, governos e empresas não abandonem suas metas e programas ambientais. “As emissões estão se acelerando. O paciente, que é a Terra, não está se recuperando”, afirmou Sylvie Lemmet, diretora do Departamento Econômico do Pnuma.
“Muitas empresas estão cortando dinheiro de filantropia. Mas esperamos que as atividades principais no setor de meio ambiente sejam mantidas”, afirmo Georg Kell, que coordena um grupo de empresas em todo o mundo que se comprometeram a adotar políticas pró-ambientais, entre elas a Copagaz, no Brasil.

No ano passado, o IPCC lançou uma série de relatórios que deixaram claro que as mudanças climáticas são uma realidade e que o mundo terá de tomar medidas para frear essa tendência. Para avaliar o risco ambiental, os mais de mil especialistas do IPCC desenharam diferentes cenários.

O pior deles indicava que haveria uma alta nas emissões de CO2 na atmosfera de 2,7% ao ano na atual década. “O problema é que estamos vendo, desde 2000, um crescimento nas emissões de 3,5% por ano, apesar de todo o esforço internacional”, alertou Lemmet. Nos anos 90, o aumento das emissões era de apenas 1% ao ano e mesmo assim já preocupava os cientistas.

Outro cenário alarmante é o de elevação dos oceanos. Com a elevação da temperatura da terra, as calotas polares derreteriam, causando inundações em muitas cidades costeiras. No pior dos cenários, os oceanos teriam seus níveis elevados em no máximo 0,9 metro em uma década.

Os novos números apontam que a elevação dos oceanos variou no mundo entre 0,8 metro e 1,5 metros. Em 2030, se esse ritmo for mantido, 300 milhões de pessoas poderiam ser afetadas diretamente e obrigadas a abandonar suas cidades. A elevação de temperaturas já estaria gerando emissões de metano, algo que seria ainda mais preocupante que as emissões de CO2.

• Comentário meu: esta informação sobre o início da liberação do metano, o qual se encontra congelado nas profundezas dos oceanos há mais de dez mil metros de profundidade, e níveis de bilhões de toneladas, é demais preocupante. Em níveis elevados, esta liberação ocorre bastando um pequeno aquecimento nas temperaturas das águas, e quando se inicia pode entrar em processo contínuo irreversível. Neste caso a contaminação dos mares e da atmosfera será letal à qualquer tipo de vida, o que poderá causar a dizimação de grande parte da vida dos mares e da terra por conseqüência. Isto não é brincadeira. Isto é muito sério. Este risco existe, embora ainda pareça remoto.

Outra constatação é de que a perda de cobertura de gelo nos pólos é duas vezes maior na atual década que nos anos 90 e quatro vezes maior que os registros de 1980.
A ONU levará esses números à reunião que ocorrerá na Polônia em dezembro. O encontro tem como objetivo tentar avançar as negociações sobre a criação de um acordo mundial sobre as mudanças climáticas.

Já os países ricos enfrentam uma resistência cada vez maior de seu setor privado, alegando que a atual crise financeira tornará inviável pagar pelas mudanças tecnológicas que o novo modelo ambiental exige.

Seria fundamental que de imediato não se queimasse mais petróleo como combustível nesta escala atual e se aplicasse de imediato outras fontes de energia para estes fins combustíveis. Sabemos que esta medida em larga escala significa não uma medida governamental apenas, mas principalmente uma atitude de cada cidadão do planeta.

Hoje estamos em 2008 e não parece que os problemas são tão graves assim, todavia, duvidar completamente de todos os relatórios de cientistas e pesquisas independentes nos parece um risco ilógico. Muitos modelos apontam que a maioria das conseqüências climáticas já são irreversíveis e suas conseqüências poderão durar até cinco décadas.
Entretanto, todos são unânimes ao afirmar que podemos minimizar os riscos e as conseqüências globais que podem mesmo causar mortes de bilhões sobre a face do planeta, e isto seria inteligente.

Na Europa, nos principais países, cresce a consciência de que devemos diminuir a nossa participação individual sobre a crise do meio ambiente. Há uma grande preocupação neste sentido. Na Suíça até mesmo os executivos procuram andar de bicicleta, além dos trabalhadores de outros níveis e estudantes.

No Brasil se vê muito pouca movimentação das pessoas e empresas neste sentido. Uma pena. A adoção de uma nova cultura a favor do meio ambiente me parece algo sumamente importante para o futuro das gerações que estão chegando e que estão por vir.

Será que não vale a pena você também mudar sua atitude diante dos fatos?

Por Atama Moriya, em 16-11-2008.

Anúncios
Esse post foi publicado em Global Warming, texto e marcado , , . Guardar link permanente.

Opte por deixar comentários claros, concisos, compreensíveis e racionais. Evite palavrões, palavras ásperas e críticas/ofensas a outras pessoas. Lembre-se que este blog é muito lido por menores de idade. Por favor, deixe bons exemplos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s