Você realmente conhece a importância da “água”?

Vivemos tão atarefados conosco mesmo que passa desapercebido muitas questões importantíssimas do próprio ser humano, seu físico, seus desenvolvimento, suas características, o funcionamento dos órgãos, e tantas outras colocações sobre o próprio homem e sua existência, sua origem e seus destinos.

As civilizações e as culturas sociais forçaram o homem a buscar fora de si, nas coisas exteriores, a sua realização pessoal, a satisfação de seus psiquismos e a resposta de todas as inquietações pessoais, desde alegrias até os seus próprios fracassos como se o homem realmente possa ser medido e dimensionado externamente.

Ao buscar tanto a sua complementaridade do lado de fora de si mesmo, o homem cada vez mais foi perdendo a sua verdadeira identidade que tem origem não aqui na Terra, mas de uma substância máter, ou matéria primordial ou do que chamamos também de “o grande oceano” que não teve inicio ou mesmo terá fim.

Logo, estarei escrevendo sobre o homem simbiótico, mas este assunto é tão grande, vasto, que fico imaginando uma forma simplificada de expor a questão sem ter que descer às minúcias e detalhes que tornaria difícil e demorado o entendimento.

Assim, creio eu que melhor colocar algumas questões em textos já escritos e passados por pesquisadores anteriormente, para que concatenando alguns pontos apenas, possam todos ter uma idéia macro, mesmo que ainda assim incompleta, sobre as principais interligações do ser humano, seja físico ou espiritual, como desejam sempre separar nas culturas, mas que serve para o entendimento mais primário traçar os primeiros passos.

Sem dúvida nenhuma a ciência que é a uma base importante para o desenvolvimento e evolução do homem tem realizado experimentos e descobertas incríveis e extraordinárias nas ultimas cinco décadas, a despeito do endurecimento humano comum neste mesmo período.

Mas uma nova luz, ou luzes sempre devem ser acrescidas para que este homem atual possa acrescentar em sua mente, posto que a evolução em si não é um processo automático, mas depende em grande parte do que nós mesmos fazemos por aqui.

O próprio homem é o seu limite, afinal, ele mesmo se limita em vida acreditando apenas no que “acha” que é verdadeiro e real, e nesta medida, sua mente não pode avançar.

Seja física ou espiritualmente só se vai a lugares e pontos mais elevados que cada um pode ao menos imaginar, e imagem que se pode formar mentalmente é a forma que limita o homem. Não creio mesmo que mentalmente haja limites para o indivíduo, mas há limites que o indivíduo impõe a si mesmo, daí porque somente alguns conseguem vislumbrar equações da matemática, da física, da música, das filosofias, mesmo que sejam somente abstratas e mentais.

É por esta razão das limitações das mentes que se diz, os sábios, que o homem é um ser ignorante, mas não neste sentido pejorativo, mas no sentido de que ele realmente “ignora” tudo aquilo que ele ainda não conhece e faz questão que assim continue.

Ignorar é limitar os seus próprios pensamentos, e assim fazendo, deixa de haver evolução no sentido mais amplo.

Tudo está sempre em evolução, como ensina o esoterismo, e também a ciência, mas individualmente nem todos estão evoluindo.

Se de um lado tivemos como exemplo Einstein lendo e estudando os compêndios “A Doutrina Secreta” de HPB e mesmo que tenha afirmado que não conseguia compreender muito do relativismo ali descrito, reputou a obra como realmente grandiosa e foi além ao freqüentar estudos místicos com Yogananda nos EUA por alguns anos, ocasião em que conheceu e conviveu com um extraordinário teólogo brasileiro, Huberto Rohden, que o chegou a descrevê-lo em uma de suas obras. De outro lado temos o homem “ignorante” que não faz nenhum esforço para compreender os grandes mistérios da vida e do Universo, de Deus ou o Criador.

Tanto faz quem só crê no Criacionismo ou somente no Evolucionismo, tudo está em marcha constante para frente e para o alto, apenas muitos homens com seus limites mentais se colocam para trás e para baixo o tempo todo, moldados por uma anti-cultura limitativa.

Separar o homem, sua vida em duas partes, sendo uma a origem mística e espiritual de outra parte como sendo a sua vida material é uma das anti-culturas mais limitadoras de uma grande compreensão e evolução.

Não posso ainda compreender como se pretende evoluir as civilizações sem que antes o homem conheça mais profundamente as suas próprias origens e destinos, suas ligações e inter-dependências cósmicas, sua verdadeira natureza evolutiva e seus verdadeiros destinos cósmicos.

Por sua ignorância divina o homem atual tende a “involuir” e a demonstração clara está na sua forma atual de viver, com incongruências extremadas, com guerras econômicas, com a destruição da natureza, com o consumo e esgotamento de todos os recursos naturais, com a poluição ocasionada pela super-industrialização e mesmo assim incentivando as populações para maior crescimento do consumo.

Se neste momento a civilização é “ignorante” em todos os sentidos mais abstratos, então resta esperarmos que a ciência promova a abertura das mentes, já que ela como elemento de estudo e base aceita hoje como material é a única possível de impedir a auto-destruição humana.

No mais, nem que Jesus, O Cristo, surgisse de novo para nos alertar, os homens nem sequer dariam o seu reconhecimento, e estariam mesmo mais preocupados com as oscilações das bolsas de valores.

A seguir segue um texto publicado na net e extraído de um livro escrito há mais de trinta anos atrás. Veja que nada é novo, apenas que preferimos sempre “ignorar” pois achamos que está além dos nossos limites mentais e que isto não terá qualquer influência em nossas vidas.

Ignorância e tolice é uma combinação mortal, como veremos num futuro breve.

Tenho sempre enfatizado que estamos ligados a tudo e a todos, como, aliás, está escrito no testamento cristão e com outras palavras em todas as religiões:

“Do pó viestes e ao pó retornarás”

A água é um dos quatro elementos básicos que dão sustentação a toda a vida no Planeta, e o próprio homem é constituído quase que totalmente de água.

Conhecer e estudar a natureza da água e suas moléculas é uma base importantíssima para que a civilização possa prosseguir convivendo no Planeta em simbiose com todos os demais reinos.

Por Atama Moriya.

“Os mistérios da água

Nenhum cientista ficou surpreso ao saber que Pauling pesquisava a água, fato que teria espantado provavelmente os leigos. Pauling recebeu duas vezes o Prêmio Nobel, uma vez pela paz, e a segunda por seus trabalhos de química. Ele fundou o grupo Pugwash, organização que reúne os maiores pesquisadores do mundo. Que diabo pensa consigo o leigo: O que um cientista dessa estatura vai procurar nesse elemento superconhecido que é a água? Pauling indagava simplesmente por que a água ferve a 100 graus centígrados: o ponto de ebulição dos corpos varia com o seu peso molecular; o propano, por exemplo, cujo peso molecular é de 44, ferve a 42 ºC, e a água, com seu peso molecular de 18, deveria ferver a 26 ºC. Qual razão dessa anomalia?

Esse líquido honesto guardou durante muito tempo seu segredo.
Para Tales de Mileto e Empedócles, a água era um dos quatro elementos da natureza.

Outros autores antigos afirmavam – e provavam – que ela se transformava em terra após haver fervido. Isso decorria de um pequeno erro na experiência eles ferviam a água em recipientes de vidro, de sorte que uma quantidade ínfima de silicato alcalino se dissolvia e permanecia no fundo do frasco após a evaporação. Esse resíduo era terroso. Lavoisier apontou esse erro experimental em 1773.

Oito anos mais tarde, Cavendish obtinha água queimando o hidrogênio, e foi por esse razão que Watt imaginou que a água era uma mistura de hidrogênio e de “flogistica” – uma substância hipotética que explicava a combustão dos corpos. Finalmente, em 1783, Lavoisier descobriu que a água era uma mistura de hidrogênio e de oxigênio, embora tenha se enganado com as proporções. Guilhotinado durante a Revolução Francesa, ele não teve tempo de corrigir seus cálculos. Faltava resolver ainda o problema da ebulição anormal. Pauling porventura sabia, ao iniciar suas pesquisas, o que iria encontrar? Esse é o segredo da pesquisa científica quando a intuição – ou quem sabe, a adivinhação – lança experiência e deduções em caminhos desconhecidos. Não entraremos nos detalhes a respeito dos trabalhos de Pauling, base de uma nova ciência. Diremos apenas que ele descobriu que as cargas – positivas e negativas – de cada molécula de água não se neutralizavam. E que cada uma das moléculas possuía dois pólos.

Foi nesse dia que o homem penetrou na intimidade da água.

Finalmente tinha chegado sua vez… Pauling demonstrou ainda que as moléculas da água, pelo fato de serem bipolares, reuniam-se em “grupos”:

Foi Bernal quem realizou o estudo desses grupos.

Alguns anos mais tarde, os austeros membros da Academia Real de Londres ficaram um tanto surpresos quando viram seu ilustre colega subir no estrado carregando alguns barris extremamente pesados. Bernal explicou-lhes que alguns barris continham objetos em forma de triedro, de octaedro, de tetraedro etc., e que o último barril estava cheio de objetos da mesma natureza embora de forma pentaédrica (de cinco faces). Bernal abriu em seguida os barris e os inclinou.

Os primeiros conservaram obstinadamente o seu conteúdo, que escorria lentamente do barril cheio de pentaedros…

– Isso explica – disse Bernal – por que água corre. Os “grupos” descobertos por Pauling formam sua simetria da ordem de 5, como a estrela de pontas cujos eixos da simetria se cortam. Esse “grupos” reúnem cinco moléculas numa pirâmide de base quadrangular.

O homem sabia, agora, como era feita a água. Mas contam que no final dessa comunicação, alguns membros da Academia Real lembraram que nosso corpo contém 60% de água, que possuímos cinco dedos, que as flores apresentam uma simetria baseada no número cinco, que a estrela-do-mar tem cinco pontas, que não existe cristal cuja simetria seja baseada no número cinco, nem de núcleo atômico estável com cinco partes. Será que essa simetria da ordem de 5, presente em alguns casos, ausente em outros, não teria um significado muito geral?

Foi então que os cientistas ficaram conhecendo as experiências de Piccardi. Esse pesquisador italiano, membro de importantes organizações cientificas, autor de estudos muito considerados entre seus colegas, surpreendeu-se ao constatar que o resultado de numerosas experiências variava segundo a data em que era realizada. Isso era algo absolutamente incompreensível, cientificamente inadmissível, uma vez que em todas as datas a experiência era realizada em condições rigorosamente semelhantes.

Piccardi pesquisou durante 11 anos, realizou milhares de experiências, descobriu regularmente algumas diferenças aberrantes e formulou a seguinte hipótese de trabalho:

“Uma vez que somente a data varia, é de supor que “algo” se produz em cada experiência, que uma força intervém, que não é a mesma em março e em setembro, e modifica os processos e os resultados de minhas experiências, realizadas, quanto ao mais, exatamente da mesma maneira”.

Que força podia ser essa? Piccardi lembrou-se então que a Terra gira em torno do Sol que, durante esse tempo, dirige-se para a constelação de Hércules. Uma vez que ela gira em torno de um objeto – o Sol – que por sua vez se desloca, nossa Terra descreve necessariamente um movimento helicoidal através do espaço.

Ao descrever esse movimento, ela se apresenta diferentemente, em diversas datas, em relação à Via Láctea.

– Se existirem campos de força na Via Láctea – observou Piccardi – eles atingirão diferentemente a Terra em cada data, e sempre da mesma maneira todos os anos, já que nosso movimento helicoidal é mais ou menos regular. A intervenção dessas forças, mais ou menos intensas, diferentes segundo o momento, explicaria as diferenças nos resultados das experiências realizadas nas mesmas condições – com exceção das datas.

A hipótese era sedutora. Mas existiriam de fato esses campos de força da Via Láctea?

Antônio Giao, reunindo as experiências de Piccardi e as equações de Einstein, provou posteriormente a existência dos campos de forças galáxicas…

A hipótese de Piccardi, aceita cientificamente, era de qualquer modo a única explicação o possível para as diferenças encontradas nos resultados das experiências…

Restava saber como essas forças galácticas operavam. Sem entrar em detalhes extremamente complexos, basta saber que de 1951 a1960 mais de 250 mil experiências foram realizadas por diversos cientistas do mundo inteiro, que analisaram e compararam os resultados das experiências levadas a efeito de Madagascar às ilhas Kerguelen, do Japão à Antártida, em toda parte onde operavam as forças galáxicas recentemente descobertas…

A resposta chegou finalmente: as forças galáxicas operavam por intermédio da água. Grosseiramente falando, elas fazem girar e deformam as pirâmides de cinco faces e base retangular que unem as moléculas bipolares e formadoras da água – conforme provaram as experiências de Pauling e de Bernal.

Essa descoberta nos abre um domínio infinito. Porque nosso sangue, nosso organismo, os animais, as plantas da terra – tudo é feito de água. Se for comprovado que as moléculas dessa água onipresente se deformam em certas datas, quantos problemas novos não se apresentarão aos pesquisadores?

Sem mencionar a influência hipotética das configurações astrais, devemos reconhecer que as pessoas nascidas sob o signo de Escorpião não foram influenciadas da mesma maneira pelas forças galáxicas que aquelas que nasceram sob o signo de Touro – isto é, no momento em que foram concebidas e durante a vida intra-uterina, período em que o organismo é especialmente sensível. Isso indica que os astrólogos primitivos já haviam suspeitado alguma coisa do invisível…

Mais concretamente, toda a física, toda a química, toda a biologia e mais longe ainda, todo o conhecimento humano incluindo o de suas sociedades e da política, devem ser repensados levando em conta as descobertas de Pauling, Bernal, Piccardi e Giao, os quais descobriram como a água era feita, que ela servia de intermediário entre as forças galáxicas e tudo que vive na Terra, que seus grupos pentaédricos, sensíveis a essas forças, tinham a capacidade de armazenar e transmitir sua energia.

Ocorreu ao Dr. Ménétrier – as pesquisas se processavam ao mesmo tempo em diversas disciplinas, como costuma acontecer – diluir na água partículas de ouro e de cobalto ionizados. A solução era composta de partículas infinitamente pequenas, imperceptíveis. O Dr. Ménétrier utilizou em seguida essa água como medicamento: ela curava!

Temendo o efeito da auto-sugestão (é possível adormecer uma pessoa que sofre de insônia dizendo-lhe que a água pura que ela bebe contém um sonifero), ele recomeçou suas experiências. E constatou que os remédios que continham uma quantidade tão pequena de ouro e de cobalto ionizados, que a análise mais cuidadosa não conseguia descobrir, agiam realmente sobre o organismo! Será que essa experiência fazia justiça finalmente a Hahnemann, o médico que foi obrigado a fugir da Alemanha por ter inventado a Homeopatia e feito concorrência a seus colegas alopatas? Faltava ainda explicar o fenômeno. Foi o que Boivin e Jacques Bergier tentaram fazer:

“E provável – pensaram eles – que essas pirâmides pentaédricas da água se orientem em torno da substância diluída em quantidades ínfimas, “copiam-na”, “imitam-na” e operam como ela. Isso explicaria as curas incompreensíveis”.

Jacques Bergier realizou em seguida uma experiência para verificar sua hipótese: dissolveu substâncias fluorescentes na água, tornou a dissolvê-las e recomeçou o mesmo processo até chegar ao ponto em que a dose delas era tão fraca que pareciam inexistentes. Iluminou depois essa água com raios ultravioleta: ela se tornou mais fluorescente do que a água de torneira ou a água destilada, que nunca tinham “visto” essas substâncias. Outras pesquisas estão sendo realizadas atualmente.

Bernal, que descobriu as pirâmides pentaédricas da água, recebeu um dia em seu laboratório a visita de Boris Deryagin, físico soviético cujos trabalhos, com seus resultados surpreendentes, tinham sido freqüentemente contestados no Ocidente. O cientista russo trazia consigo um pequeno tubo de ensaio cheio de um líquido desconhecido. Bernal analisou o conteúdo: era simplesmente água, ou antes um líquido extraído da água. Mas essa substância tinha urna densidade muito superior (40%) à da água comum, diferente da densidade da água pesada. Era necessária uma temperatura de 200 graus centígrados para fazê-la ferver; seu vapor, que podia ser aquecido até 800 ºC não dava água comum ao se esfriar, e ela não se transformava nunca em gelo; ela se tornava vidrosa à temperatura de apenas menos 50 ºC. Bernal aprofundou sua análise: o peso molecular desta água não era 18, mas 72. Em outras palavras, cada uma de suas moléculas era a associação de quatro moléculas da água comum… Esse fato, que apaixonou os cientistas, interessa a todos nós. Sabemos que alguns cientistas estudam a possibilidade de congelar o homem, hiberna-lo à temperatura de menos 40 centígrados e no momento propício; aquecê-lo e fazê-lo reviver…

Infelizmente, essa operação é irrealizável no momento aos 60% de água que contém nosso organismo: ao gelar, essa água ocupa um volume maior, arrebentando os vasos capilares e matando o paciente. Ora, a água de Deryagin não gela nunca… Se fosse possível, no entanto, substituir a água de um indivíduo pela água de Deryagin nossa congelação (ou congelamento) seria praticável, seguida de um aquecimento posterior e de uma volta à vida. É fácil perceber os domínios que se abrem graças a essa descoberta.
Abandonando essas fronteiras da pesquisa, voltemos à água comum. Sabemos que, natureza, ela segue um circuito complicado: ao sair da terra, torna-se um filete d’água, riacho, rio, açude, lago e, finalmente, oceano. O sol a aquece, seu vapor sobe na atmosfera onde ela se carrega de ozônio, volta sob a forma de chuva, de neve ou de granizo, e o ciclo recomeça. Lembremos que Leonardo da Vinci havia pressentido esse fenômeno e que a água da chuva é um verdadeiro remédio. Mas nós vivemos hoje longe da natureza e bebemos água da torneira que não tem nada a ver com a água da chuva: é uma água regenerada, arejada, filtrada, tratada. Ela já serviu seis ou sete vezes. Foi limpa de suas substancias tóxicas ou simplesmente nocivas e nós a absorvemos sem nos causar nenhum mal.

Convém admitir, entretanto, que as opiniões variam a esse respeito.

Alguns afirmam que a água clorada é prejudicial. Mas o contrário foi provado, a menos evidentemente que a quantidade de cloro não seja exagerada… Se Marselha, por exemplo, não sucumbiu ao tifo antes de suas novas instalações de tratamento da água, foi por que a quantidade de cloro da água potável chegou ao máximo tolerável. E essa medida era necessária: a água chegava à cidade por um canal aberto onde todos os rebanhos da Provença iam beber – o que não seria muito grave – e fazer ainda outras coisas, e os amantes da pesca não conheciam melhor pesqueiro do que a saída da antiga estação de tratamento. Podem imaginar qual era o alimento das carpas pescadas nesse local! O cloro salvou Marselha de suas águas poluídas e de suas águas de poço. Não há dúvida portanto que a água tratada das cidades inofensiva ao organismo. Seu único inconveniente, de ordem psíquica: não são todas as pessoas que gostam de saber para que serviu a água que bebem… Um outro aspecto do problema, saber se temos necessidade de uma água quimicamente pura. Nosso organismo não necessita ingerir uma água que contenha alguns microrganismos?

Os criadores de peixes vermelhos sabem disso por experiência: eles recolhem a água da chuva, envelhecem-na em frascos colocados em cima das janelas e depois a despejam nos aquários. Os peixes delicados vivem melhor com esse tratamento. A água envelhecida, que eles engolem e respiram, possui certamente animaizinhos microscópicos, micróbios inofensivos, e talvez oxidações necessárias à sobrevivência deles. Será que o mesmo não ocorre conosco?

Todo o problema de nossa civilização depende disso. Foi provado que um indivíduo que só come produtos absolutamente assépticos, que só bebe destilada, que só respira um ar isento de impurezas, é mais sensível às doenças do que seu avô, que tomava menos precauções para comer, beber e respirar. E isso por uma razão muito simples: seu organismo não produz os anti-corpos indispensáveis à luta contra os micróbios portadores de doenças…
Esse fato coloca, por sinal, um problema curioso, que foi admiravelmente exposto por Asimov no seu livro “New Intelligent Manus Guide to Science”, onde colhemos numerosas informações.

Foi constatado que se colocarmos uma quantidade bem pequena de fluoretos na água que bebemos, ocorre um efeito de catálise que impede as cáries dentárias. Segundo os cálculos feitos, essa garantia absoluta custaria apenas 25 cents por americano por ano. Ora, os mesmos norte-americanos gastam todos os anos 500 milhões de reais nos seus dentistas, o que é muito, sem falar nos incômodos e no sofrimento dos tratamentos dentários.

Seria natural, por conseguinte, que a América do Norte colocasse a quantidade recomendável de flúor nos seus reservatórios de água.

Essa operação, no entanto, mostrou-se irrealizável: 27 milhões de americanos declararam-se a favor da medida, enquanto 27 milhões votaram contra, apoiados por uma comissão nacional de luta contra a fluorização extremamente ativa. Teriam sido influenciados nisso pelos dentistas que temiam perder seu ganha-pão? De forma alguma. Os que condenaram a fluorização da água, proteção absoluta contra a cárie dentária, apresentaram dois argumentos:

O primeiro, bastante surpreendente: essa operação – explicaram eles – teria efeitos psíquicos desastrosos; ela embruteceria o americano e poderia mesmo torná-lo estéril!

Alguns chegaram a afirmar que a campanha da fluorização era de origem e inspiração soviética, e que fazia parte de uma conspiração para destruir os Estados Unidos… Seria preciso dizer que nenhum dado científico comprova essa opinião?

O segundo argumento coloca um problema fundamental: o governo não tem o direito – afirmaram os 27 milhões de americanos contra o flúor – de impor uma água tratada quimicamente, por maiores que sejam as vantagens possíveis desse tratamento.

Parodiando Moliére, poderíamos emprestar-lhes essa frase: “O que vocês têm que ver com minha dor de dente?”

Essa posição, aliás, não é nova: ela se parece com a dos “antivacina” que criticaram Jenner quando ele descobriu a imunização contra a varíola, e cujos descendentes ideológicos continuam a condenar toda espécie de vacina. Defender as pessoas contra a vontade deles. Isso merece reflexão: a sociedade tem o direito de defender as pessoas contra a vontade delas? Todo o problema da liberdade individual está nessa pergunta, tema especialmente delicado numa época em que as sociedades modernas controlam cada vez mais profundamente o comportamento de seus membros, em nome de decisões governamentais que nem sempre correspondem à nossa vontade pessoal, que é livre afinal para viver conforme lhe agradar se isso não causar prejuízo a outros.

Esse último aspecto do problema não deve encobrir o essencial, que é dramático: consumimos água em quantidades cada vez maiores, seja para nossas “necessidades domésticas”, seja em nossas indústrias, e muito em breve – num momento que pode ser calculado – mais água em quantidade suficientemente na Terra.

É verdade que algumas obras imensas de aproveitamento da água do mar já estão sendo realizadas em alguns países, como Israel e em Kuwait, por exemplo. Mas esse processo custa terrivelmente caro…
É estranho constatar que, no momento em que o homem começou a descobrir finalmente os mistérios da água, surgem os primeiros sinais de sua falta.”

Fonte: Extraído de um texto de Jean Montorsier – 1976


Home

Anúncios
Esse post foi publicado em educação, O Homem Simbiótico, texto e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Você realmente conhece a importância da “água”?

  1. emillyn raquel disse:

    ruim

  2. lols disse:

    água é tudo

Opte por deixar comentários claros, concisos, compreensíveis e racionais. Evite palavrões, palavras ásperas e críticas/ofensas a outras pessoas. Lembre-se que este blog é muito lido por menores de idade. Por favor, deixe bons exemplos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s