O valor das experiências recorrentes na vida e suas ligações com vidas passadas – parte 2

O assunto exposto a seguir não consta completamente em um livro, mas nas entrelinhas de vários conhecimentos da Teosofia, e nos entendimentos passados de boca a ouvido pelos instrutores. Parte encontra-se tratada na Torah e na Kabalah, outra parte no Budismo Tibetano e finalmente a terceira parte na Teosofia de HPB.

 “Sacrifício de Melquisedec – Gen. 18

 

…. Mas Melquisedec, rei de Salem, oferecendo pão e vinho, porque era Sacerdote do Deus Altíssimo, abençou Abrão, e lhe disse: Bendito seja Abrão da parte do Altíssimo Deus que criou o céu e a terra….

 

15.4-5….. A isto lhe respondeu logo o Senhor: Este não há de ser o teu herdeiro; mas tu terás como herdeiro aquele que nascerá de ti. E depois de o ter feito sair para fora, disse-lhe: Levanta os teus olhos ao céu, e conta se pode, as estrelas. Assim é, ajuntou ele, que se multiplicará a sua posteridade….”

 

EIS AÍ, FILHOS DE ABRAÃO, CRESCEI-VOS E MULTIPLICAI-VOS! (entre 120.000 a 100.000 AC)

 

Essa foi a ordem aos arianos e assim foi feita a vontade do Pai.

 

Mas agora na Era de Aquarius nova ordem será dada (já foi dada), e inconscientemente todos já sabemos qual é. E as populações tenderão a diminuir na face da Terra. Agora, para adentrarmos um pouco nos mistérios da evolução corporal e espiritual, reproduzimos a seguir um texto de aula sobre genética, muito bom e simplificado, como nos interessa.

 

 

 

“AS LEIS DE MENDEL

01 de março de 2006

por Sabio

 

A teoria de Darwin sobre a seleção natural foi brilhante até onde pôde, mas logo se chocou contra um obstáculo sério. Segundo as observações de Darwin, as características pessoais são passadas dos pais para sua prole em medidas iguais: dessa maneira, uma mãe inteligente e um pai estúpido produziriam filhos de inteligência mediana. Isso colocou um problema para a seleção natural.

 

Pois ainda que um indivíduo “superior” aparecesse em uma espécie, essa característica superior seria gradualmente diluída através da reprodução. Mesmo Darwin ficou engasgado com isso, e em resposta modificou sua teoria, incorporando a proposição de Lamark de que a forma de criação, assim como a natureza, deve guiar o desenvolvimento individual.

 

Darwin, entretanto, havia suposto que as mudanças evolucionárias aconteciam gradualmente; essa hipótese logo foi provada falsa. William Bateson, na Inglaterra, e Hugo de Vries, na Holanda, descobriram que as espécies parecem evoluir em passos bruscos e descontínuos, chamados por de Vries, em 1900, de “mutações”.

 

No mesmo ano, Vries se deparou com alguns artigos publicados uma geração anterior pelo monge austríaco Gregor Mendel (1822-1884).

 

Embora esse trabalho tivesse sido ignorado durante sua vida, Mendel, trabalhando com simples pés de ervilhas, tinha levado a cabo a descoberta de leis da hereditariedade que revolucionariam a biologia e traçariam as bases da genética.

 

Por sete anos, de 1856 a 1863, Mendel cruzou e produziu híbridos de plantas com características distintas – plantas altas com plantas anãs, ervilhas amarelas com ervilhas verdes e assim por diante.

 

Ele observou com surpresa que tais características não são diluídas nem resultam em meio-termo, mas se mantêm distintas: o rebento híbrido de uma planta alta e de uma anã era sempre alto, não de tamanho médio.

 

Ervilhas amarelas cruzadas com ervilhas verdes produziam ervilhas amarelas, em vez de ervilhas verde-amareladas.

 

E, ainda mais interessante, quando Mendel miscigenava os híbridos altos, a geração seguinte retinha as características distintivas encontradas nas plantas “avós”: a maioria era alta, porém mais ou menos um quarto delas eram anãs.

 

Da mesma forma, a terceira geração de plantas do cruzamento amarelo/verde eram 75 por cento amarelas e 25 por cento verdes.

 

Mendel logo deduziu a matemática por trás desse fenômeno. As plantas, como os mamíferos, têm dois “pais” e cada um aparentemente contribui com características (alta ou anã, amarela ou verde) para as gerações subseqüentes.

 

Portanto, embora a característica de tamanho pequeno possa desaparecer na segunda geração, ela vai aparecer em alguns indivíduos da terceira; dessa maneira, a segunda geração (híbridos altos) deve ainda conter “instruções” para produzir rebentos pequenos. De fato, tais instruções devem vir em pares, um par de cada pai, e um elemento do par é passado para cada rebento da terceira geração.

 

Mendel chamou isso de “lei da segregação”: características herdadas são passadas igualmente por cada um dos pais, e, em vez de se misturarem, elas se mantêm separadas.

 

Isto é, cada uma das características é gerada por um par de instruções, com as instruções «dominantes” determinando a aparência da prole e as instruções “recessivas” mantidas latentes. (As características recessivas aparecem somente quando ambos os fatores em um par são recessivos.)

 

Além disso, de acordo com a “lei da variação independente” de Mendel, a contribuição de cada pai com um fator é algo governado pelas leis da probabilidade – fatores dominantes não têm maior probabilidade de serem passados adiante do que os recessivos. Características herdadas também são independentes: as instruções para altura não têm nada a ver com as instruções para a cor.

 

Embora a questão da hereditariedade seja geralmente bem mais complicada do que o cruzamento de ervilhas, Mendel havia se deparado com um princípio genético fundamental.

 

Tão logo as descobertas de Mendel foram cruzadas com a biologia da célula, a genética emergiu como um novo campo. Com o melhoramento dos microscópios, os biólogos foram capazes de observar que as células se reproduzem dividindo-se em duas, e que cada célula resultante herda metade de cada cromossomo do original. Em idos de 1870, foi também descoberto que, quando um esperma fertiliza um ovo, os cromossomos se combinam.

 

Essas duas observações juntas explicam o mecanismo básico da hereditariedade. Os “fatores” de Mendel foram eventualmente renomeados de genes’, e descobriu-se que cada par de cromossomos em uma célula carrega vários pedaços de informação genética.

 

De um modo geral, a genética abriu caminho para uma linha darwiniana modificada: a evolução se processa algumas vezes por mutação súbita, com as novas características sendo passadas geneticamente, mas principalmente pela variação genética natural (recombinação de genes).

 

Em cada caso, a natureza “seleciona” as mudanças favoráveis à sobrevivência e rejeita as mudanças que não são para melhor (como são geralmente as mutações radicais).

 

MENDEL

 

Se num agradável dia de verão, quase um século atrás, você passasse no mosteiro agostiniano próximo a Brunn, na Morávia – hoje, Brno, na República Tcheca – talvez se deparasse com um monge baixo e troncudo trabalhando numa faixa estreita de jardim ao longo do muro.

 

Você ficaria intrigado com as estranhas experiências que ele fazia. É difícil imaginar o quanto esse monge estava à frente de seu tempo. Ele não misturou sua fé com a ciência, mas conservou ambos em compartimentos separados de sua mente. Hoje, aquela faixa de terra é um local histórico e nela se ergueu um monumento ao incrível e habilidoso monge: Gregor Mendel.

 

Ano após ano, Mendel ia conservando cuidadosamente os registros dos ancestrais das linhagens das ervilhas híbridas – os seus “bebês”, como ele gostava de chamar.

 

Dessa forma, descobriu que as diferentes cores e texturas (lisas ou enrugadas, por exemplo) das sementes, assim como as características das flores e os hábitos de crescimento, eram herdados  independentemente, como unidades puras, e reapareciam nas gerações seguintes, em determinadas relações que podiam ser preditas matematicamente.

 

Ele realizou posteriormente experimentos similares com muitas outras espécies de plantas: feijões, chicória, bocas-de-dragão, plantas frutíferas – e também com abelhas e camundongos. As “leis mendelianas” estabeleceram a base para o estudo exato da hereditariedade: a genética, para usar o termo atual.

 

Johann Mendel nasceu na Áustria, em 22 de julho de 1822, de uma linhagem camponesa que era um misto de alemão e eslavo. Sua família conseguiu mantê-lo na escola até os 21 anos, quando ele entrou para o monastério em Brunn, centro intelectual, onde muitos dos professores interessavam-se pelas Ciências ou pela Arte. Segundo o costume, ao tornar-se monge, ele adotou outro nome: Gregor. Aos 25 anos, foi ordenado sacerdote e teve que aprender a língua tcheca.

 

Foi designado professor, freqüentou a Universidade de Viena durante três anos, aprendendo ciência avançada e retornou a Brunn, onde passou 14 anos como professor de física e história natural. Ao ser eleito abade, em 1868, foi obrigado a abandonar gradualmente as experiências de cruzamento de plantas e muitos dos seus outros interesses.

 

Além da hereditariedade, Mendel se interessou profundamente por botânica, horticultura, geologia, meteorologia e pelo fenômeno das manchas do sol. Deixou contribuições notáveis para o estudo dos tornados.

 

Mendel percebeu que o tempo faria justiça às suas descobertas. De fato, no ano de 1900, três botânicos, trabalhando independentemente com cruzamento de plantas, na Bélgica, na Alemanha e na Áustria, descobriram as leis de Mendel sobre a hereditariedade.

 

O mendelismo tornou-se tema central da pesquisa biológica moderna. Mendel tinha a faculdade rara – tão essencial em ciência – de planejar e realizar uma experiência simples e bem delineada com o fim de obter resposta para uma questão bem definida. Ele foi um cientista dos cientistas.”

 

Continua –

Atama Moriya

Atama Moriya

Esse post foi publicado em texto, Vidas passadas e recorrências e marcado . Guardar link permanente.

Opte por deixar comentários claros, concisos, compreensíveis e racionais. Evite palavrões, palavras ásperas e críticas/ofensas a outras pessoas. Lembre-se que este blog é muito lido por menores de idade. Por favor, deixe bons exemplos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s