A Importância das Raças

A Importância das Raças

Parte I – Origem e Constituição

A grande história desta nossa humanidade passa pela história de todas as Raças que aqui estiveram e delas todos nós fizemos parte, em que pese haja poucos registros históricos dessas nossas gloriosas passagens que são justamente aquelas contadas pelos nossos amados Mestres, Iniciados e Adeptos e constantes dos registros teosóficos aqui na Terra e akáshicos nos Planos Mentais.


Mas para melhor compreensão de nossas origens como Raças, é bom que explicitemos algo a mais sobre as nossas mônadas, assim entendidas como partículas de energia originadas de partes do próprio Melquisedec, o Rei do Mundo.
Melquisedec ou Melk-Tsedec é o nosso Pai e Mãe de criação, mas não no sentido antropormófico daquele Pai bondoso, velhinho de barbinha branca que descrevem através dos tempos, porém, algo mais complexo, divino e energético, como inteligência acima de nossos conceitos e compreensão, por hora. E assim, continuará sendo, como o Imanifestado, aquele que se divide sem se dividir e o que soma sem se somar. Existe sem existir e se faz presente através de suas próprias mônadas ou moedas que se somam e se dividem sem se dividir como Ele. E se ele se manifesta “através de”, um dia também, como partes legítimas suas, nos manifestaremos através Dele, sendo, portanto correto afirmar que somos Deuses através do Pai Imanifestado.

Sobre esta matéria não pretendo explanar mais nada, porque ainda não é o tempo, mas tempo haverá que isto será um conhecimento comum em escolas e não fará nenhum estrago em conceitos esotéricos e religiosos.
Se somos partículas de energia, vamos entender um pouco o que nossa ciência, nossa física, descobriu sobre partículas. Lembram-se que sempre escrevi sobre a polaridade ou dualidade do Universo, pois é, este conceito se aplica igualmente em tudo, inclusive nas sub-partículas do átomo. Como é em cima é embaixo (tábua das esmeraldas).

Nos últimos anos importantes avanços foram realizados através de pesquisas avançadas de física quântica, e peço que entendam que não sou físico, mas estudo a física no sentido de adequa-la dentro dos conceitos teosóficos, encontrando os pontos básicos e comuns de conceitos do universo antes já propostos por sábios antigos, desde o tempo da Grécia até a doutrina teosófica de HPB, assim como o faz a própria física no estudo e pesquisa da metafísica.

Há duas décadas passadas foram realizados experimentos ou experiências com sub-partículas do átomo, o quark e o anti-quark (olha a dualidade) no acelerador atômico europeu (desculpem-me os cientistas pela maneira simples de descrever) e muito mais ocorrerá nos próximos anos com a inauguração do maior acelerador de partículas do CERN, que terá um túnel de 27 km de comprimento.

Os gregos antigos formularam dois conceitos sobre Física de Partículas. O primeiro foi formulado por Tales de Mileto e diz respeito à eletricidade. O segundo foi formulado por Demócrito e diz que toda a matéria pode ser dividida até chegar em um ponto que se encontraria a parte mais fundamental e indivisível da matéria a que demócrito deu o nome de átomo. Ele dizia que o átomo não poderia ser criado ou destruído e que toda a matéria conhecida seria formada por diversas combinações de diferentes átomos. Suas idéias se aproximavam muito dos atuais conceitos de Física Atômica. As idéias de Demócrito só voltaram a ser revistas no séc. XIX, por Dalton. As de Tales de Mileto foram revistas à partir do século XV. Principais partículas e antipartículas conhecidas: Elétron, pósitron, próton, antipróton, nêutron, antinêutron, neutrino, antineutrino, Mésons (pi+, pi0, pi-, mu+, mu-, k+,k-,k0), hiperons (lambda 0, sigma +, sigma 0, sigma -), fótons e grávitons.

Como dissemos anteriormente o Universo todo é composto de duas polaridades, positiva e negativa e se assim é no macrocosmo, também o é no microcosmo. No estudos da física de partículas realizadas na Europa descobriu-se que ao se dividir um quark em duas partes, imediatamente ou instantaneamente surgia além de seu anti-quark, mais um anti-quark, provando o que o Ocultismo vem propagando há séculos, ou seja, não há positivo sem negativo e vice-versa. Teoria do Bem e do Mal.

Também em trabalhos recentes dos físicos, ficou provada que a Teoria da relatividade de Einstein de que a velocidade da luz seria a máxima ou limite, não é de todo verdadeira. Algo que o próprio Einstein deixou claro que tempo haveria que suas teorias seriam ultrapassadas por outros físicos quânticos. Tal relação ficou conhecida como o Teorema de Interconectividade de Bell, na qual ao se separar duas partículas numa distância de milhões de anos luz, e ao excitarmos uma delas, a outra que representa a sua polaridade reagia instantaneamente, mostrando que há uma ligação, ainda desconhecida, entre as partículas, conforme afirmou HPB na Doutrina Secreta.

No Ocultismo chamamos esta ligação de “cordão de prata”. Supreendente?
Assim como o Ocultismo tem ensinado ao longo dos séculos que o Universo foi criado através de uma grande explosão, como na Teoria científica mais recente do Big-Bang, cuja energia possui a polaridade positiva, devemos crer, portanto, que há uma energia negativa oposta da energia criadora. Podemos chamá-la de energia da destruição ou anti-criação.

Nada mais verdadeiro, afinal, tudo que se manifesta na forma se desgasta naturalmente e um dia desaparece, mas tudo sob o juízo do tempo.

Sabemos que em estudos de físicos mais recentes, cujos trabalhos mais dia ou menos dia serão publicados, estas energias da criação e da anti-criação estão presentes em todo o Universo e também aqui na Terra, e ambas trazem efeitos que a ciência ainda tenta compreender.
Igualmente na Teosofia se afirma que o Universo foi criado numa grande expansão e um dia haveria a sua contração que o faria desaparecer. Tais expansões e contrações são aquelas que ocorrem através dos misteriosos “buracos negros” do Universo.

Sobre tudo isto muito se desvendará nas próximas décadas. Por hora, entramos neste estudo para que todos possam fazer ligações entre o Universo e cada uma das mônadas, ou a relação de Deus e suas mônadas que “experenciam” vidas no Universo. E você é uma delas!

Anteriormente não adiantaria explanarmos estes conceitos, porque era necessário ter feito todas as exposições anteriores para que houvesse conexão com o todo. Lembram-se de “quem somos”, “de onde viemos” e “para onde vamos”?

Advirto sobre este texto que quero que ele funcione como ponto de reflexão um pouco mais profundo e mais adiantado sobre as existências humanas e o destino individual e coletivo.

Todas as chaves precisam ser compreendidas pessoalmente através de muito esforço pessoal e ela, a compreensão interna, pode não vir na hora, ou somente muitos anos depois, dependendo de quem as lê e seu grau de consciência evolutiva.

De minha parte, creio que estou avançando demais e passando informações acima do tempo, mas se estou a faze-lo, creio que é permitido. Parei para escrever um outro tema e comecei a escrever sobre este, portanto, deve haver um motivo além de minha própria vontade.

Rapidamente os conceitos teosóficos de incerteza, relatividade e o que chamam os cientistas de biologia quântica estarão unidos e explicados um pelo outro. Mas deixemos isto para outro tempo futuro e absolutamente certo e incerto também sob o juízo do tempo.

Não responderei nenhuma pergunta a respeito, caso não tenham compreendido. Mas observo que o tempo mais certo está próximo. Mas prestem bem atenção no tempo: é sempre uma das chaves.

Igualmente como no macrocosmo, que expande e depois contrai, assim também somos todos nós no microcosmo, como mônadas de uma única mônada que se divide sem se dividir e soma sem se somar.

Tais ocorrências já se repetiram em nossas vidas por trinta e três vezes e está próximo em milênios o tempo de nova contração das mônadas. Já somos todos um, como comprova a física de partículas, apenas não nos apercebemos ainda, por sermos todos, todos, tolos, mas estamos chegando lá, mesmo sem saber ao certo aonde é este lá. Confie. Há um fio que nos interliga um a um, a todos, e a Melk-Tsedec.

Todos que não se sentem ligados a seus irmãos, seja o mais poderoso e o menor de todos, certamente estão desligados de si próprios também, pois não há outra explicação. Tal ligação só ocorre através de uma energia ainda não detectável cientificamente chamada Amor, a qual também tem seu oposto que aqui podemos chamar de anti-amor que opera de forma repelente, razão pela qual é sempre muito mais fácil agir e pensar sob e por esta energia, posto que ela opera sob qualquer ambiente e, ao contrario, a energia de amor necessita de um pólo de atração criado individualmente através da mente do coração.

Este pólo de atração somente pode ser criado através da experiência mística de cada ser e de forma individual e imersa. O Abstrato cresce com o Concreto e na medida deste último.

Na vida mística só tem valor aquilo que é obtido com muito, muito, muito esforço e transpiração, dado a natureza supérflua da personalidade do indivíduo. Razão pela qual, do que foi exposto, esforcem-se aqueles que não compreenderam para obtenção de uma compreensão interior e não exterior que seria perdido tão logo virasse a esquina.

Parte II – das Características Passadas, Presentes e Futuras

Já relatamos anteriormente que a Raça Aryana representa a 5a. Raça e dentro desta estamos a vivenciar o final da 5a. sub-raça. Anteriormente houveram outras quatro Raças, a saber a Adâmica ou Polar (de polaridades), a hiperbórea, a Lemuriana e a Atlante. Posteriormente a raça Aryana haverão mais duas e completaremos o ciclo de sete Raças e terminamos com esta Rhonda. Cada Raça é composta de sete sub-raças e cada sub-raça é composta de sete tribos. Até aqui, nada demais, tudo já se encontra em livros.

Entretanto, o que falta a todo estudante de esoterismo é que normalmente ele se move por emoções e acha tudo muito excitante, bonito e outros adjetivos psicológicos, mas falta-lhe quase sempre exercitar a compreensão, pois é somente desta forma que evoluímos. Não evoluímos em consciência nos tornando repetidores de informações, mas sim quando mergulhamos nela e ficamos a imaginar mentalmente as razões. Todos querem confortavelmente receberem tudo já mastigadinho e decifrado, o que é sempre uma atitude própria de nossos tempos dado a formação cultural que recebemos. Isto sempre nos torna cada vez mais robôs e papagaios de pirata. Mas papagaios de pirata não tem consciência!

Não há nada mais confiável que a razão e Deus age sempre assim, com uma razão tão perfeita que supera em infinitas vezes a nossa própria razão. Dentro do processo de conta-gôtas de Sabedoria, aos poucos vamos recebendo através de representantes diretos e indiretos todos os conhecimentos ocultistas e esotéricos que nos permitam de pouco a pouco galgarmos com segurança nosso crescimento consciencial. De uma única vez é inútil e não guardaria a coisa mais importante na evolução: a consciência evolutiva em face do tempo e seu juízo de perfeição.

Não sejamos tolos em busca de livros, textos, gurus e mestres que nos dêem tudo prontinho como as pizzas que compramos por telefone. Eles simplesmente não existem. O que todo livro e conhecimento exposto nos traz é somente pontos de referência para nossas reflexões meditativas, nada mais. Tudo o mais, vocês vão encontrar dentro de vocês mesmo e não fora. O que vale é a luz que você mesmo acende em seu interior, porque a luz de fora não tem o poder de iluminar o seu interior, não é assim é constituído o caminho.

A avidez na busca de informações e busca de explicações que seriam dadas por outros é sem dúvida, um dos maiores descaminhos do estudante. Procuras fora o que já está dentro?

Temos como exemplo máximo o Evangelho do Cristo, dado em amor como código de filosofia de vida e conduta em Amor, mas até hoje ao invés dos seres mergulharem na busca de equivalências em seu interior, apenas relatam os textos como gravadores e não foi esta forma que pretendeu nosso Cristo modificar o comportamento e influenciar na evolução da Humanidade. Dois mil anos ou quase isto e ainda não foi o suficiente para compreendermos os ensinamentos em profundidade, não a profundidade do ensinamento, não a profundidade da humanidade, não a profundidade do nosso vizinho, mas a nossa profundidade. Conheça-te a ti mesmo.

É neste conhecer pessoal, íntimo é que ocorre a nossa evolução de consciência. Esta é a única evolução que conta, como já relatamos anteriormente. Todas as demais evoluções que houverem se referem à forma e não ao anima Cristo.

Consciência não é algo subjetivo, inimaginável, ou fruto de imaginação, mas existe como partícula de energia dentro de cada um e só cresce com os alimentos de inteligência, compreensão divina e Amor. Fica na base da coluna e tem o nome de “muladhara”.

Nos meus textos eu não coloco o meu entendimento de forma completa, mas sempre parcial, porquanto o estudante deve necessariamente exercitar a sua mente abstrata buscando dentro de si as correspondências. Mas não sou somente eu que assim escrevo, mas todos os Ocultistas que conheço. O objetivo principal é de não formarmos um bando de robôs, mas seres pensantes, criativos, positivos e com expressões próprias e que jamais tragam dentro de si monovisões de autores como este ser pequeno que vos escreve.

Aos lerem textos esotéricos busquem nas palavras a compreensão oculta, seja um livro, a Bíblia, ensaios e tudo o mais, busquem através das palavras o sentido que há naquela construção imaginando a mente do autor e o que ele estava pensando naquele momento, naquela exposição. Não saiam correndo atrás dele solicitando esclarecimentos minuciosos, isto é perda de tempo, porquanto consciência aumenta na medida que você mesmo conclui a sua tese, mesmo que diametralmente oposta ao do expositor, e vale que você tem de viver sob o juízo de suas próprias compreensões e não sob o juízo dos entendimentos de terceiros, mesmo que este terceiro seja o Cristo. Deu para entender? Só neste caminho sua consciência pode crescer e não importa em verdade se no certo ou no errado, pois estes são parâmetros apenas, importa você estar absolutamente cônscio de suas experiências e prontamente capaz e consciente de assumir seus erros e acertos de forma lógica e racional, e não de forma emocional. Anima o Cristo, mas aja pelo espírito.

Em termos de educação estamos todos mal formatados. Uns aceitam dez toneladas diárias de informações de tudo é quanto jeito de recebe-las, via tv, via rádio, via vizinho, via colega, sem ao menos analisa-la se aquela informação é de fato correta, se traz dentro de si alguma verdade, ou se trata de alguém jogando “uma falsidade” fazendo-a passar como verdade, mesmo que seu interlocutor assim acredite também de forma errônea.

Por exemplo, em meu trabalho eu analiso alguns comportamentos das bolsas mundiais, e neste caso, vocês acham que eu acredito nas informações que dão para justificar esta ou aquela alteração nas bolsas? Eu seria um “louco” se assim o fizesse e rapidamente alcançaria maus resultados também, e sempre imagino o que os caras estão tentando dizer com aquelas informações, o que vai atrás disto tudo, pois só me imaginando no lugar deles é que posso compreender aonde eles querem chegar.

Tem outros que não aceitam os pensamentos de outros e logo, enfurecidos, vaidosos passam a ataca-los ou a tentar diminui-los, mas porque assim o fazem? Se o juízo de valores vale apenas para cada um. E cada um tentará sempre viver sob o seu próprio juízo de valores e não dos outros. Somos todos muito criancinhas ainda, com mentes de crianças tentando provar algo não sei pra quem. Quantas guerras e sofrimentos teríamos evitado com tantas discussões inúteis? O que hoje consideramos errado pode ser muito certo amanhã e vice-versa, e eu sei que ninguém ou apenas alguns compreenderão o que vou citar agora, mas um dia será uma coisa tão comum como respirar: “não combatas nenhum pensamento alheio, mas atente somente para o seu” porque estando você no caminho correto no cenário cósmico, no palco da vida, tudo correrá conforme você pensa e não como o “outro” pensa, nem que em sua visão temporal isto não lhe pareça que esteja ocorrendo, sendo esta uma das mais complexas visões teosóficas deixadas por HPB, inspirada que foi por três Mestres de Sabedoria, apesar dela mesma representar um Grande Ser da Hierarquia Universal. Novamente, acrescento que o que aqui expus é só parte, o resto é por conta de vocês mesmos.

Tudo presta, tudo é válido, tudo é importante, tudo será aproveitado no contexto evolutivo, então porque as pessoas estão continuamente moldando umas as outras em detrimento à paz e cooperação mútua no Universo?

Então o processo de aprendizado passa pelas clássicas perguntas internas, a você mesmo, quais sejam: Por que? Como? Qual seria o motivo? Qual seria o objetivo de Deus? Em que ponto isto está conectado com o sentido único da roda da vida? Usem todas as sabedorias existentes e questionem a si próprios que conseguirão atingir pontos mais elevados de consciência.

Agora é minha vez de perguntar: Por que razão tivemos e sempre temos em cada Rhonda sete Raças? Por que haveríamos de ter tido as nossas próprias raças anteriores à Aryana? Não poderiam ter sido apenas uma única? Qual o sentido? Qual o objetivo de Melquisedec?

Parte II – das Características Passadas, Presentes e Futuras-2

Voltando a questão das Raças. Na atual Rhonda, Ronda ou Onda de Vida, tivemos primeiramente a Raça Polar, cuja principal característica teria sido a constituição do princípio ativo de polaridades, antes o mesmo ocorreu em todos os Reinos, incluindo-se então os primeiros seres desta Onda de Vida, evidentemente, este primeiro Adão, não poderia ser igual ao ser hominal atual, mas uma primeira experiência do Universo para adaptação do ser humano em um mundo mais denso. Obviamente, a própria Terra também apresentava uma densidade mais sutil se comparada a hoje e ela própria vem se estruturando e alterando sua densidade ao longo do tempo também, em sua vida de mais de um bilhão e oitocentos milhões de anos, conforme estudos da teosofia.

Como seres oriundos de outras dimensões necessariamente teríamos de passar por uma adaptação ao plano físico-físico, daí porque os seres polares trafegavam livremente pelas dimensões dos vários planos de existência.

Qualquer descrição que se faça dos seres polares será sempre incompleta, e mesmo a ciência jamais saberá como ele se apresentava. Dado a sua natureza mais sutil, não possuindo nem de perto a atual densidade, este ser humano estava mais para um abstrato do que físico. Alguns dizem que tinham mais de cem metros de tamanho, quem sabe? Pelo menos teoricamente esta informação procede, por ser mais sutil, deveria ter um corpo bem maior que o atual. Muitos ocultistas o descrevem como um ser parecido com uma grande minhoca, o que também tem muita lógica, pois não possuía olhos, boca, mãos e pés e apenas um chacra estava ativo, o básico.

Mas não vamos nos ater em demasia no que certamente todos podemos nos lembrar quando for o tempo, pois tais registros encontram-se conosco em nossos próprios registros individuais de vidas passadas e também conhecer o passado a fundo não é importante em nosso desenvolvimento, pois, nunca será do passado que iremos viver, e sim, sempre, do presente em que existimos e no nível em que nos encontrarmos. O Universo sabiamente criou o mecanismo de cobrir toda a memória passada através dos véus de maya, se fosse realmente fundamental, referido véu não existiriam.

Na Raça seguinte a hiperbórea, inicia-se um processo de materialização de um corpo físico mais denso, não muito, mas positivamente mais denso. Este ser humano, continuava a trafegar pelos planos mais superiores também, mas pouco a pouco, permanecia mais tempo no plano mais denso da Terra. Possuía algo em torno de 60 metros ou mais de altura e onde passava era como um ribombar de trovões, e a terra toda tremia. Presume-se que tenha vivido há mais de quinhentos milhões de anos atrás, quiçá, um bilhão de anos atrás. Possuía um avanço, um olho, ganhando então o segundo sentido, embora que muito falho, e ganhava também pés e mãos bifurcados apenas.

Na terceira Raça lemuriana, começa a se definir o corpo físico mais adequado do ser humano, já com três chacras mais ativos enquanto os demais quatro menos ativos. Esta Raça já desenvolvia também por meados da 4a. e 5a. Sub-raça a bipolaridade sexual, até então os seres eram hermafroditos e ovíparos conforme já descrevi anteriormente, pelos menos é o que contam os Iniciados e Adeptos que viajam no tempo em espírito.

Também nesta terceira Raça desenvolveu-se o ser humano de três dedos nas mãos e nos pés. A lenda de Adão e Eva surge nesta Raça, aquela história contada no antigo testamento.

Não vamos entrar neste “ninho de abelhas” por desnecessário, mas muito o homem conhecerá ainda sobre o passado investigando a si próprio e não os escritores do tempo.

De importante registrar que esta Raça, seres ainda enormes com mais de 30 metros de altura, corpos mais eretos, mas lembrando ou guardando leve semelhança em tamanho com dinossauros que surgiram muito tempo depois, muito se desenvolveram, afinal aqui estiveram por centenas de milhões de anos. Trafegavam ainda nos planos superiores, somente que agora no Astral e muito menos nos Planos Mentais, distanciando-se deste aos poucos, razão pela qual iniciaram-se, segundo contam, no mundo das magias e esoterismo religioso, como nos tempos atuais.

Eram eméritos em contatos com seres de outros planos, mas com a perda paulatina de acesso aos planos superiores, mais se apegavam aos ritos religiosos e rituais místicos de orações e chamamentos dos deuses. Em termos tecnológicos desenvolveram-se enormemente e atingiram o domínio de todas as energias sub-atômicas e atômicas e consta que desapareceram justamente por uma destas guerras entre suas várias sub-raças na sua última Raça.

Seus espíritos, considerando os que não subiram ao primeiro degrau da Iniciação, foram encaminhados ao bolsão energético da lua, para onde até hoje são encaminhados os espíritos que receberão novos encaminhamentos.

Após milhões de anos, já novamente somados surgem novamente estes espíritos sobre a face da terra, já parcialmente divididos em novas mônadas. Contrai e depois se expande. Soma todas as experiências e depois se sub-divide para novas experiências de vida, assim caminha o Universo, sempre em busca de novas experiências, não sendo, neste momento cósmico, neste dia da criação, de modo algum, o objetivo de todos, 100% dos seres humanos se iluminarem, não ainda, e não ainda por muitos milênios, porque a busca principal é de experiência colhida sempre de forma individual e depois coletiva.

Ainda estamos apenas com 5% da consciência total a ser atingida, portanto, muito falta em experiência evolutiva que o próprio Universo pretende. Não há pressa, tudo ocorrerá no tempo devido e quanto mais perto da última Raça, a sétima que ainda tardará a chegar em milhares e milhares de anos, a evolução passa a ganhar a velocidade de crescimento não mais em PA, mas em PG e nada mais lógico, como vemos hoje com o início (apenas o início da era dos computadores).

Se interrompermos a coleta de experiências, encerramos a evolução dos espíritos, e estamos ainda adentrando na metade dos dias da criação, então que seriam dos outros?

Parte II – das Características Passadas, Presentes e Futuras-3

O Planeta Terra nesses milhões e milhões de anos também foi se modificando, se densificando mais, se transformando, e novas espécies de plantas foram surgindo, como que do nada, mas sabemos que do nada, apenas o Criador é capaz de criar. Paralelamente, novos animais foram surgindo sobre a face planetária materializados por consciências superiores, justamente para comporem todo o ecossistema que hoje conhecemos e darem sustentação ao reino hominal. Lembrando sempre que a Terra continua em mutação em todos os reinos; ao longo do tempo muitas espécies vegetais e animais vão desaparecer, bem como os insetos, peixes, bem como podem surgir outras espécies como bactérias e vírus desconhecidos e espécies mutantes de vegetais e animais.

O primeiro reino mineral dá base e sustentação para o segundo reino, o vegetal e este dá sustento ao terceiro reino animal, sendo todos os três bases de sustentação física e espiritual do quarto reino hominal. E a escala não termina aqui.

“Do pó viestes e ao pó retornarás”.

Todos os corpos físicos dos reinos vegetal, animal e hominal são constituídos de átomos do primeiro reino mineral, e se os átomos da terra vão se alterando ao longo do tempo, todos os demais reinos também o seguirão. Com a densificação do reino mineral, o homem também se densificou através de suas várias Raças.

Esta densificação alcança seu auge durante a Raça Ariana, agora inicia-se o processo de reversão ou contração, devendo tudo tornar-se mais sutil até o desenvolvimento final da sétima raça raiz.

Ainda na Raça Ariana ainda se desenvolverão mais duas sub-raças, a 6a. e a 7a. para depois adentrarmos na Raça Dourada que será uma evolução física e espiritual proveniente da nossa atual raça. Um novo modelo, um novo ser humano, potencialmente superior ao melhor ser humano atual, vibrando positivamente cinco chacras e mais o sexto, o pineal, em pleno desenvolvimento, e com ele despertará o sexto sentido, a intuição e abrirá as portas para a 7a. e última Raça Raiz.

A sutilização planetária é um processo normal do desenvolvimento do espírito planetário, assim chamado mãe gaia ou Mãe Terra como a maioria prefere e nada tem relação com existências ou transformação da vida material em mais do que três dimensões. Tudo que se manifesta na forma, em todas as dimensões ou mundos tem sempre três dimensões, a quarta é sempre uma transição entre mundos, conforme já explanamos em tópicos anteriores sobre a manifestação da forma-espaço-tempo.

Durante a Raça Lemuriana, segundo a tradição teosófica aceita por muitos teosofistas, mas não todos, para aumento do número de mônadas, além daquelas que já acompanhavam o desenvolvimento humano, foram trazidos de outros mundos bilhões de consciências já divididas em mônadas individuais, entretanto, tais consciências anteriormente ligadas exclusivamente aos reinos animais evolutivos não tinham tido antes nenhuma experiência hominal, mas foram trazidos à partir do Mental Abstrato às pressas devido à rápida multiplicação da Raça Lemuriana que atingiu a bilhões e bilhões de seres. Referidas consciências novas no Reino Hominal traziam lembranças em seu desenvolvimento problemas ocorridos durante a sua vida coletiva, os quais pouco se sabe, mas eram e são mais exacerbados em instintos de sobrevivência e agressividade, algo que devem aprender a lidar e evoluir nesta passagem sobre a Terra, pois este é o desejo e o intuito da hierarquia universal de Melk-Tsedec.

Ainda com várias sub-raças remanescentes dos Lemurianos inicia-se a transformação para o surgimento aos poucos da Raça que os sucederia, os Atlantes. Este em princípio apresentam uma notável evolução do corpo físico; dizem alguns que iniciaram com algo em torno de 10 metros de altura, para aos poucos na sucessão de suas sub-raças alcançar uma densificação maior e altura aproximada de 4,5 metros em meados de seu período. Contribuíram para ocupação destes novos corpos mônadas oriundas da Raça Lemurie, muitos que prosseguiam seus caminhos individualmente e outros tantos contraídos e sub-divididos em novas mônadas com agregação de conhecimentos e consciências evolutivas.

É através da fusão de mônadas que se soma conhecimentos, experiências e consciências, para depois uma nova divisão, sem se dividir, proporcionar uma rápida evolução de todos, pois, a cada um, individualmente competirá a nova coleta de experiências e através de novas fusão, ganhamos elevados índices de consciência. E com muita Sabedoria o Universo ganha em velocidade para as evoluções pretendidas de consciências.
Anteriormente já explicamos este processo, no qual se soma 3+4+5=12, hipoteticamente, obtemos 12, mas este 12 contém e conterá para todo o sempre o 3, o 4 e o 5, somente que não mais individualmente como três, mas um indivíduo, um espírito uno, o doze, que contém todas as experiências adquiridas dos três.

Os Atlantes, mais densos que as Raças anteriores, já quase não tinham contato com os Planos superiores, daí porque, os véus e os renascimentos aumentavam gradativamente, geração após geração. E a própria terra se preparava para o Kali-Yuga, idade do ferro, o ponto máximo de densificação dos átomos.

Viveram muito tempo sobre a Terra, e se desenvolveram enormemente, a ponto de criarem majestosos templos onde cultivavam a ligação com o Eterno. As crianças após o nascimento eram entregues às Sacerdotisas para receberem a melhor educação possível dentro dos parâmetros iniciáticos e assim, estes espíritos mantinham a independência evolutiva e se formavam ainda jovens como Iniciados.

Fisicamente, já na 6a. sub-raça, aparentavam o homem físico atual, porém mais altos, embora menores que no início, mas algo em torno de 3 metros, já com quatro sentidos, e quatro dedos nas mãos e nos pés. Cada uma das setes Raças compete desenvolver certas características e chacras, assim na raça polar desenvolveu-se o chacra básico ou sexual, na raça hiperbórea tivemos a tônica no chacra da base da coluna ou kundalini, na raça lemuriana o desenvolvimento do chacra do plexo solar, na raça atlante competiu o desenvolvimento do timo, e na raça aryana o desenvolvimento do chacra da laringe, na sexta raça, teremos o desenvolvimento do chacra pineal e finalmente na última raça o desenvolvimento do chacra da coroa, nossa ligação definitiva e permanente com os planos superiores.

Quando nos referimos ao desenvolvimento das glândulas, estamos nos referindo ao desenvolvimento pleno, conforme programação a ser cumprida, sendo claro então que os chacras atuais estão muito desenvolvidos até o timo, o da laringe, correspondente as glândulas tiróides ainda vão completar o seu desenvolvimento, que corresponde ao poder do pensamento, a materialização do mental abstrato; uma ligação hoje tênue para a maioria, mas que será completa no futuro.

Tais evoluções atingem o auge costumeiramente na 6a. e 7a. sub-raças, abstraindo-se aqueles que individualmente o fazem através de iniciações antes desse período e só o conseguem através de muita transpiração. Entretanto, é de se esclarecer que ser aceito como discípulo nas escolas dos mestres não é nenhuma beneficie, porquanto “quanto mais é dado, mais será cobrado” e estes irmãos que já carregam consigo muitas evoluções de outras raças anteriores passam a ser responsáveis também pelo trabalho evolutivo dos demais irmãos e esta tarefa não poderá mais ser abandonada, nascendo e morrendo e nascendo novamente com esta verdadeira “messe” e já vimos em nosso passado os sofrimentos que impingimos a estes seres irmãos maravilhosos que se doam em amor à essa Humanidade.

Voltando aos Atlantes, os do Sul, representantes da 7a. sub-raça, muito evoluídos materialmente e espiritualmente tiverem muitos problemas com seus irmãos do Norte(o desenvolvimento de todas as evoluções em todas as Raças sempre se inicia no Leste, depois, Oeste, depois Norte e por fim o Sul).

Os irmãos do norte, muitos ainda trazendo fortes raízes ainda de suas vidas guerreiras na Raça Lemuriana iniciaram um tremenda contenda de domínio e poder (nada parecido com a atual raça aryana??). Embora muito evoluídos, com grandes Mestres e Sacerdotes, não puderam evitar a grande guerra e dado o grau de tecnologia alcançado chegaram a modificar o clima planetário, perecendo então quase tudo na face planetária. Constituindo-se de um terrível carma planetário que ainda não foi devidamente pago pelos espíritos terrestres, mas o será, um dia.

Parte II – das Características Passadas, Presentes e Futuras-4

Já quase no final do seu período na Terra os remanescentes Atlantes, cuja Raça já havia diminuído bastante em número de indivíduos e já sabedores que a eles caberiam reconduzir juntamente com Seres da Alta Hierarquia Universal o surgimento da nova Raça Aryana, buscaram trabalhar em experimentos genéticos neste sentido, mas sempre orientados pela hierarquia de Melk-Tsedec.

Isto provavelmente ocorreu por volta de 1 milhão e 500 mil AC, quando com genes novos foram trazidos à terra seres fisicamente mais próximos do humano atual. No princípio, como sabemos, ainda portadores de outros genes que não humanos, ainda ligados aos seres coletivos dos animais mas em fase de individualização espiritual, mas já geneticamente 99,99% humanos. Não são estes os nossos antepassados, mas apenas experiências genéticas de adaptação, sendo mais certo dizer, sob o meu ponto de vista, que somos descendentes dos Atlantes já mutados à Raça Aryana. Como podemos observar com os negros africanos (não todas as tribos), os primeiros aryanos da primeira sub-raça, os chineses da Mongólia e do império Tan, os polinésios e os índios xamãs das Américas. Já os aborígenes australianos, os maias, os toltecas, os incas, várias tribos indígenas, algumas tribos do norte da europa pertencem a Raças Atlantes em degeneração, tantos que muitos já desapareceram sob as atuais condições mais densas planetárias. Consta que mais cinco sub-raças ainda presentes vão desaparecer também, mas não me recordo aqui quais são.

Através dos milênios ocorreram outras transformações nos corpos físicos que se densificavam e se habituavam a conviver na Terra, eram estes corpos partes genéticas universal da evolução que se deu com base nos corpos dos Atlantes da última sub-raça.

Tem-se como idéia que somente a cerca de 250 mil anos surgiram de fato e paulatinamente os seres já mutados como os futuros aryanos, já com cinco dedos nas mãos e nos pés e chacras já configurados para abrigar os novos espíritos e os antigos ainda oriundos da Raça Atlante e os que ficaram da Raça Lemuriana.

O fim da Raça Atlante era absolutamente natural, pois tudo que se manifesta na forma, sob o juízo do tempo, um dia se desgasta e desaparece ou se transforma em algo novo, diferente, mais evoluído atomicamente. Este é o ritmo do Universo, que nunca para, sempre se transforma.

Por fim o surgimento da Raça Aryana, a primeira sub-raça, foi concomitante ao desaparecimento dos Atlantes remanescentes que embora dotados de altíssima tecnologia, foram se afastando paulatinamente, mas deixando sempre grandes ensinamentos nos seios das civilizações que ora surgiam sobre a Terra.
Por um certo período de tempo conviveram ao mesmo tempo os mutantes já em degeneração da antiga raça atlante, muito embora já com características físicas dos aryanos, e os novos aryanos da 5a. Raça que se estabeleciam, como sempre em todas as civilizações, à partir do Leste.

Assim também deverá ocorrer quando do surgimento da 6a. Raça dos Dourados, um produto evolucional da Raça Aryana que embora longe de atingir o seu auge já mostra também sinais de desgaste, já contando com a miscigenação das setes tribos aryanas mencionadas nos textos bíblicos e na antropogênese.

Como toda a evolução termina sempre no Sul, caberá ao continente sul americano e mais posteriormente ao continente africano também este término evolucional e a preparação para o surgimento da nova Raça que nos sucederá e a qual acompanharemos durante a sua 1a. sub-raça, quiçá até a segunda.

Muitos espíritos da nossa atual raça aryana ainda guardam fortes lembranças com as Raças Lemuriana e Atlante, gravados em seus átomos primordiais, razão pela qual existem e são necessários ainda as diferentes religiões em nosso Planeta. Alguns se dão melhor e tem mais conexões por exemplo com o espiritismo, os dons mediúnicos, outros se dão melhor com religiões mais austeras como a muçulmana, outras se dão melhor com a Torah, outros mais ligados ao cristianismo, outros aos católicos, outros mais flexíveis ao Budismo e ainda outros mais livres ligados ao ecumenismo e as filosofias esotéricas, como ensinou HPB. Não há críticas de forma alguma, apenas que todas essas experiências continuam sendo necessárias para o pleno desenvolvimento espiritual humano.

Entretanto, prevê-se que com o desenvolvimento da 6a e 7a. sub-raças, muitas destas tendências pessoais irão pouco a pouco se ajustando ao ecumenismo pleno, ponto em que haverá a união de todas as religiões, como outrora já ocorreu em raças anteriores à atual.

Não há pressa, tudo se desenvolverá rapidamente nos próximos 5 mil anos, aproximadamente. Já na sexta Raça dos Dourados outras configurações irão surgir e estas para nós ainda são desconhecidas.

Num futuro ainda muito distante tudo se unirá numa única ciência/religião, pois afinal tudo, tudo mesmo, emana de uma única consciência universal, embora que ainda seja muito cedo para tais previsões e não haja ainda base de dados suficientes para esta compreensão maior.
Aqueles que assim o quiserem poderão estudar mais profundamente a antropogênese divulgada pela Teosofia de HPB e Alice Bailey, livros que são facilmente encontráveis, porém, de difícil interpretação dos dados.

De importante neste texto, muito simplificado, resumido e eu diria, apenas interpretativo, fica a compreensão de necessidades diferentes que os espíritos humanos ainda tem com relação à crenças, ciências e religiões, bem como, entender e aceitar que alguns espíritos irmãos estão mais recentemente nesta caminhada na terra e guardam alguns níveis de consciência ainda a serem desenvolvidos por outros mais antigos e com mais vidas de experiência, o que não os torna em absoluto inferiores, porquanto estão juntos agora justamente para equipararem-se, igualarem-se e tem totais condições para este mister. Em princípio, aqueles que estão um nível acima não são melhores, contudo, por estarem um nível acima o demonstram através de ações de tolerância, compassividade, compaixão, aceitação, solidariedade, fraternidade, amorosidade e principalmente amor ao próximo e será por estes exemplos que ensinarão os demais irmãos, do contrário, podem até se julgar melhores (o julgamento já é uma demonstração negativa), contudo, sem uma ação correspondente, provam a si próprios que não estão mais adiantados como se propagam intimamente; apenas não conseguem enxergar isto.

“conheça-te a ti mesmo, profundamente”

Muitos estão ainda fortemente ligados ao desenvolvimento de Raças anteriores aos Atlantes e desenvolvem hoje fortíssimas vibrações dos chacras inferiores, plexo, sacro e kundalini, e tudo que é em excesso traz transtornos violentos. Exacerbações de sexo, bebidas, emoções fortes, egocentrismo exagerado, instintos ainda animalescos de preservação e sobrevivência da espécie (salvar o que do que?), guerras individuais, pessoais, coletivas, ódios, agressões físicas, morais, espirituais, escritas, faladas, vaidades, iras, lutas e intolerâncias extremadas. Tais chacras inferiores deveriam já no início da raça ariana se encontrarem parcialmente adormecidos para que se obtenha o crescimento vibracional necessário dos três superiores (laríngeo, pineal e coronário), tudo aos poucos entrando em equilíbrio com o timo, chacra central desenvolvido na raça atlante, justamente a raça do meio, contado as sete Raças desta Rhonda (três para cima e três para baixo e uma no meio).

Na sexta Raça, a futura, os chamados Dourados, teremos ainda sete sub-raças a serem desenvolvidas, mas observem que algumas experiências genéticas já estão ocorrendo, através de alguns casos a nível mundial de polidactilia que hoje consideram uma anormalidade, mas não o será na sexta raça, cujos humanos serão dotados de seis dedos nas mãos e nos pés, altura superior a 2,10 m, podendo chegar a 2,50m e talvez três metros ao final da sétima sub-raça da 6a. Raça que já está chegando em adaptação. O chacra a ser desenvolvido na 6a. Raça será o pineal, sendo que caberá a 7a.e última Raça a conexão final com o mundo abstrato através do perfeito desenvolvimento do chacra da coroa e o oitavo chacra em desenvolvimento ainda. No final desta 4a. Rhonda ou Onda de vida o ser humano terá sete dedos em cada mão, sete dedos em cada pé, sete chacras ativos plenamente e um oitavo em vibração completa e terá completado a tônica do 4o. raio da criação. Após este dia cósmico, a Terra será colocada em sono para-nirvânico por até alguns milhões de anos (tempo de limpeza carmática e recuperação energética), quando então iniciar-se-á lentamente a 5a. Ronda ou Onda de Vida.

Diante disto tudo, precisamos de calma e tolerância para compreendermos nossos irmãos que

brigam em estádios de futebol e matam por causa de torcer para times diferentes,

se jogam de abismos em elásticos,

traem seus parceiros em casamentos,

fazem sexo animalescamente com diferentes parceiros, as vezes no mesmo dia,

se intoxicam de drogas e bebidas,

compram armas para matar outros no trânsito,

xingam os vizinhos,

matam parceiros por ciúmes,

odeiam-se por opiniões diferentes,

brigam na rua por causa de encontrões,

estapeiam-se por causa do trânsito,

roubam o Povo quando políticos e o pior, acham que nem Deus viu,

fazem sexo com menores,

invejam mulheres e homens por dinheiro,

idolatram belezas ridículas sob a ótica divina, vaidades doentias, poderes que inexistem,

pisam em mendigos por nojo,

maltratam os animais, treinam cães para atacarem humanos,

caçam por prazer,

fabricam bebidas e cigarros e outras drogas,

fazem bombas para matar os “outros” e os surpreender destruindo o planeta mais de cem vezes, resta saber quem fica para explodir a segunda bomba, a terceira, a quarta….,

muitos tem fortunas de milhões e milhões e tem um medo de faltar algum amanhã e por isso querem mais, mais e mais,

adoram mais que Deus ver os outros pelados fazendo sexo na televisão,

põem seios de plástico de 400 ml e depois mal conseguem andar, fazem cirurgias e mudam o sexo e esquecem que o espírito não muda,

pulam de alegria quando o Corinthians perde,

tomam hormônios para ficarem “sarados” depois se tornam homossexuais porque mudam de gosto ou ficam tristes porque o “negócio” encolheu, enfim somos todos “loucos” e “criancinhas” se nos imaginarmos racionalmente neste mundo. Mas, calma!

Calma e paciência é imprescindível neste momento histórico, neste dia cósmico. Calma que um dia chegamos lá.

Todas as experiências de nossos irmãos são importantes, não para nós, mas para ele, a bem dele e não a nosso bem! A nosso bem fazemos nós mesmos e não os outros!

Vamos estudar esta última frase:

A nosso bem fazemos nós mesmos e não os outros e entenda “os outros” como todos mesmo, inclusive o Pai, porque se ele te concedeu liberdade de ação, embora que relativo a ti mesmo somente, foi porque ele não vai interferir na tua evolução individual, cabendo a ti mesmo e somente a ti a ação de te preocupares com que andas fazendo na Terra!

Não brigue, não critique, não agrida, apenas faça a sua parte com beleza, com ética, com atitude positiva, com criatividade, com amor que tudo se encaixará ao longo da evolução. Tenha paciência, perseverança, cultive o amor ao próximo, cujo chacra correspondente já foi plenamente desenvolvido pelos Atlantes, e você estará evoluindo em consciência de fato e não porque você acha (achômetro é o instrumento mais impreciso da atualidade) que está evoluindo. Achar a gente acha tudo, mas fazer o Bem é o que conta, não acha? (rsrs)

“Do pó viestes e ao pó retornarás”, conhecimento místico que em sua profundidade nos ensina sobre os renascimentos do budismo esotérico ou re-encarnações do cristianismo gnóstico, os quais aliados ao conhecimento de Demócrito e a física de partículas nos fazem compreender melhor as razões dos sofrimentos humanos (carmas). Nesta compreensão você descobrirá porque ser bom é bom mesmo para si próprio; pensem sobre a primeira frase, meditem sobre ela.

Hoje somos uma diversidade de ramos e sementes, mas um dia, seremos huma-unidade, pois é esta uma caminhada inexorável no Universo, pois a suprema inteligência criadora assim o quer e não será a vontade individual de um punhado de grãos de areia que a modificará.

Também importante compreender a fase atual dos aryanos e seu destino na Terra. Fica claro que ainda somos produtos físicos e espirituais incompletos no que tange aos objetivos e desenvolvimentos ainda a serem alcançados através das várias etapas futuras nos “trilhões” de anos futuros, razão pela qual, cabe a nós, à nosso próprio bem, o esforço na continuidade da evolução pretendida pelo universo neste início do 5o. dia da criação, atuando, vivendo e amando ao próximo como a Deus, pois é o que somos Deuses em crescimento, todos, sem exceção.

“UM COM O PAI”, UM DIA.

Atama Moriya

– Fim.

Home

Esse post foi publicado em Raças, texto e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para A Importância das Raças

  1. Atama Moriya disse:

    Muita Paz Luiz,

    Agradeço suas palavras. Não conheço este livro que você citou, mas em se tratando de Leadbeater e Besant certamente é ótimo, e melhor que este resumo que apresento.
    Todavia, fico feliz que tenha gostado e possa atender ao seu anseio.
    Sds. Atama.

  2. luiz de assis disse:

    Procuramos por esse texto como se ele antes existisse.
    Explicando: procuro a duras penas o livro o homem, donde veio quem é e para onde vai. de Annie Bessant e C.W leadbether. Daí, voce vem com um texto que praticamente sintetiza todo o livro que já possuí. Muito obrigado.

    Fique na paz

    Luiz de Assis

  3. Roberto Amaral disse:

    Parabens pela sintese. Na realidade, ( real idade), o mundo esta cada vez melhor, graças a pessoas como o Irmão que singelamente explicou ( de forma sucinta ) a Teosofia, muito densa, e pouco conhecida, de HPB.Paz a todos e sigamos em frente e para o Alto, sempre com AMOR, o resto é silencio.

  4. Estrela de Vênus disse:

    Muito interessante Atama, é um texto reflexivo e questionador, espero estarmos mais uma vez nos planos divinos e sermos abençoados com uma nova rhonda. Do pó vim e ao pó retornarei.

    Muito bom!

    Estrela.

  5. kaka disse:

    muito informativo o texto! É bom saber que a raça humana evolui! Parabéns!

Opte por deixar comentários claros, concisos, compreensíveis e racionais. Evite palavrões, palavras ásperas e críticas/ofensas a outras pessoas. Lembre-se que este blog é muito lido por menores de idade. Por favor, deixe bons exemplos.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s